CNI: ATRASO DO BRASIL EM RANKING DE INOVAÇÃO MOSTRA IMPORTÂNCIA DE POLÍTICAS PÚBLICAS

Sputniknews – O Brasil, apesar de ser uma das dez maiores economias do mundo, ocupa apenas a 62ª posição no Índice Global de Inovação (IGI). Para superar este quadro, o país precisa de uma ação estatal de longo prazo, avalia especialista ouvida pela Sputnik Brasil.

O IGI é realizado pela Organização Mundial da Propriedade Intelectual (WIPO, na sigla em inglês) e leva em conta indicadores como investimento em ciência e tecnologia, integração entre iniciativa privada e poder público, registro de patentes, entre outros itens.

A pandemia de COVID-19, diz o estudo, pode servir como “catalizadora” para a inovação em setores tradicionais e fomentar mudanças na maneira como o trabalho é organizado.

De acordo com o levantamento, os dez países que lideram o ranking de inovação são: Suíça, Suécia, Estados Unidos, Reino Unido, Holanda, Dinamarca, Finlândia, Singapura, Alemanha e Coreia do Sul. O relatório também destaca o Chile como um líder regional de inovação na América Latina e Caribe.

Logotipo da ZTE, uma escolha popular entre os investidores de varejo da Coreia do Sul, e um sinal de 5G na Exposição Mundial 5G em Pequim, China, 22 de novembro de 2019
© REUTERS / JASON LEE Logotipo de 5G da ZTE

Quanto ao Brasil, o país subiu quatro posições no ranking na comparação com 2019, mas ainda está atrás de 2011, quando ficou na 47ª colocação. O Brasil está na quarta posição no ranking da América Latina e Caribe, atrás de Chile (54º), México (55º) e Costa Rica (56º).

“Considerando que o Brasil é a nona economia do mundo, o fato do Brasil estar em 62º lugar em um ranking de 131 países mostra uma posição que não é compatível com a relevância da economia brasileira e com o potencial econômico e social do Brasil”, afirma em entrevista à Sputnik Brasil a diretora de inovação da Confederação Nacional da Indústria (CNI) Gianna Sagázio.

intent://tracks:887116375#Intent;scheme=soundcloud;package=com.soundcloud.android;S.market_referrer=utm_source%3Dwidget;end

A representante da CNI, que faz parte da elaboração da pesquisa, reitera o argumento de que é necessário investir em tecnologia e inovação: “O papel da inovação se mostra cada vez mais imprescindível diante de um período de incertezas e de retração na economia provocados pela pandemia. Se de um lado as empresas estão com possibilidades escassas de investimentos, de outro precisam buscar alternativas para sobreviverem e manterem seus empregados.”

Sagázio também defende a atuação do Estado para fomentar a inovação.

“Os países mais inovadores têm nos ensinado a importância de termos políticas públicas de inovação de longo prazo, robustas, que não sejam somente uma carta de boas intenções, mas que tragam indicadores, metas, governança junto com o setor privado”, diz a analista.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *