Juiz e escritor Aureliano Neto é empossado com festa na AML

Para ocupar a cadeira 9 da  Academia Maranhense de Letras (AML), Tomou posse na noite da última quarta-feira, o juiz e escritor Manoel Aureliano Neto. O novo imortal foi recepcionado pelo confrade Lourival Serejo, que fez a homenagem oficial ao empossado.

Imortais da academia, escritores e autoridades prestigiaram a posse do magistrado maranhense. Dentre as autoridades, registrou-se a presença do Presidente do Tribunal de Justiça do Maranhão, desembargador Cleones Cunha, que pessoalmente rendeu elogios a mais uma conquista do magistrado Aureliano. “Competência, dedicação e amor à arte das letras são as qualidades  inseparáves desse colega de magistratura”, ressaltou o desembargador Cleones.

O juiz José Américo Abreu Costa, auxiliar da Corregedoria da Justiça também externou homenagem ao novo imortal. “O juiz Aureliano Neto é um magistrado completo, de formação enciclopédica, destacando-se tanto como jurista como literato”, declarou José Américo.

A cadeira 9, agora acupado pelo juiz Aureliano Neto foi fundada por Inácio Xavier de Carvalho e tem como patrono Gonçalves Dias. Seu último ocupante foi o professor José Maria Ramos Martins.

Eleito em março deste ano com 26 dos 29 votos, o agora imortal Aureliano Neto, em seu dicurso falou da emoção da sua escolha. “É honroso ser eleito para a Academia Maranhense de Letras, sobretudo para uma pessoa com a minha história, que vem de uma origem humilde. Porque eu fui, antes de tudo, um gráfico. Exerci por muito tempo a função de linotipista, depois fui revisor, repórter” , afirmou. “Mas nunca deixei as letras e os estudos de lado. As letras eram o caminho que eu tinha que seguir. Ou eu seguia ou ficava no meio do caminho”, enfatizou o imortal.

Aureliano Neto deu especial destaque à vida e obra  de Gonçalves Dias, patrono da cadeira que ocupará.  Também exaltou Catulo da Paixão Cearense e Mário Meireles, que também pertenceram à cadeira 9 da Academia Maranhense de Letras. Além da fala do novo imortal entremeada por declamações de poemas de Gonçalves Dias., o ator Domingos Tourinho recitou o poema “Canto do índio” e um trecho de “Mais uma vez adeus”, ambos de Gonçalves Dias.

A cerimônia de posse também teve a presença do Coral do Ceuma que interpretou uma a obra-prima  ‘Luar do Sertão’ do cancioneiro de Catulo da Paixão Cearense, cuja trajetória foi relembrada pelo imortal.

PERFIL – O juiz de Direito Manoel Aureliano Neto concorreu três vezes a uma vaga na Academia Maranhense de Letras. Disputou as cadeiras 21, antes ocupada pelo Monsenhor Hélio Maranhão e para a qual foi eleito o escritor, pesquisador e colecionador de obras de arte Eliézer Moreira Filho; e 12, que foi ocupada pelo escritor Evandro Sarney e para a qual foi eleita a escritora Ana Luiza Almeida Ferro. O magistrado já pertence aos quadros das Academias Imperatrizense de Letras e Maranhense de Letras Jurídicas.

Manoel Aureliano Neto é bacharel em Direito, especialista em Direito Processual Civil e Direito Constitucional. Foi professor das Universidades Federal (UFMA) e Estadual do Maranhão (Uema) e da Escola Superior da Magistratura do Estado do Maranhão, magistrado do Tribunal de Justiça do Maranhão.

Com informações da AML

Assessoria de Comunicação

Corregedoria Geral da Justiça do Maranhão

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *