A 4 meses de deixar o Planalto, Temer oscila entre marasmo e crise em Roraima

Em seus últimos meses no Palácio do Planalto, o presidente Michel Temer experimenta uma mistura de marasmo com alguns focos de crise..

Ele passará a faixa presidencial para o novo presidente em 1º de janeiro de 2019. O emedebista não tentará a reeleição e afirma que aproveitaria o período para avançar em projetos para ajuste fiscal e terminar obras.

Na prática, o que acontece é diferente. Nas últimas semanas, o Palácio do Planalto teve de se envolver 2 pontos: a crise migratória e de segurança em Roraima e o reajuste a servidores públicos.

Apesar de estadual, a situação em Roraima envolveu o governo federal. Roraima cobrou do presidente medidas para aliviar os efeitos da entrada de imigrantes venezuelanos para o Estado.

O Planalto liberou recursos, mas não escapou das críticas de políticos roraimenses. O senador Romero Jucá (RR) deixou o posto de líder do governo no Senado alegando divergências com a maneira como a questão estava sendo tratada. Jucá é presidente nacional do MDB, sigla do presidente.

Na última 3ª feira (28.ago.2018), Michel Temer anunciou a autorização do uso das Forças Armadas nas áreas fronteiriças de Roraima. Ministros admitiram que a governadora do Estado, Suely Campos (PP), não havia pedido a instauração da Garantia da Lei e da Ordem (GLO) e que foi apenas comunicada. A crise em Roraima passou a ser o principal tema de falas dos ministros no Palácio do Planalto.

VAI E VEM DO REAJUSTE

Com taxas recordes de impopularidade, o governo de Temer no início do ano esperava aprovar algumas medidas no Congresso como as propostas para equacionar pendências financeiras de distribuidoras da Eletrobras e mesmo a privatização da estatal. Os projetos ajudariam as contas públicas e reforçariam o discurso de ajuste fiscal do governo. Não conseguiu.

O que ocorreu nos últimos dias foi o contrário. O presidente passou a discutir com o STF um reajuste de 16,38% nos salários de servidores do Judiciário. O aumento afetará o quadro da União (Executivo, Judiciário e Legislativo). O Tesouro Nacional estima que o “efeito cascata” custará ao erário R$ 1,4 bilhão para 2019.

Nesta semana, o governo ainda mudou de ideia algumas vezes sobre o reajuste servidores do Executivo. Inicialmente, falava-se em adiar para 2020. Na 4ª, integrantes do governo falaram que o reajuste seria mantido para 2019. No fim, o governo optou pela postergação.

Apesar das decisões envolvendo Roraima e o Orçamento, o fim da gestão de Temer tem sido marcada pelo paralisação. Com o foco nas eleições e o esvaziamento de Brasília, as principais propostas do governo estão travadas no Congresso.

Em entrevista, Temer já tem sido questionado o que fará depois que deixar o Planalto.

“Penso que está na hora de uma relativa aposentadoria. Digo ‘relativa porque pretendo sair e dar meus pareceres. Quero escrever alguns livros técnicos e até romances”falou o presidente na 3ª.

Quando deixar o Planalto, em 1º de janeiro, Temer terá passado 2 anos, 7 meses e 20 dias no comando do Brasil. Passou parte do tempo lidando com crises.

Envolto em gravações da JBS, Temer foi denunciado duas vezes pela Procuradoria Geral da República. Sem parte de seu capital político, o presidente não conseguiu aprovar sua principal reforma, a da Previdência.

Teve ainda de enfrentar uma crise de desabastecimento causada pela paralisação dos caminhoneiros e investigações sobre possível favorecimento na edição da MP dos Portos.

Em pouco mais de 2 anos de governo, o presidente Michel Temer perdeu 7 de seus ministros após a revelação de escândalos em que estavam envolvidos, sem contar outros nomes que saíram em situação desconfortável, mas por motivos diversos.

Fonte: Poder 360

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *