Índia cacique guajajara passa a faixa a Flávio Dino, diante de uma multidão no Palácio dos Leões

Por Raimundo Borges

Depois de jurar compromisso constitucional perante a Assembleia Legislativa do Maranhão, presidida pelo deputado Othelino Neto, seguido do vice-governador Carlos Brandão, o governador Flávio Dino se dirigiu ao Palácio dos Leões para o ato solene de recepção da faixa. Pela primeira vez na história, coube à índia cacique, Libiana Pompeu Tavares, da aldeia Mainumy (Guajajara), de Barra do Corda, conduzir a faixa, como símbolo máximo do poder, e entregá-la a Flávio Dino.

Num ato simbólico e único, ela representou a população indígena do Maranhão. Uma criança negra também se fez presente ao lado do governador, naquele momento solene.  “Este Palácio é de todos porque o poder é de todos”, discursou Flávio Dino, envergando a representação do poder estadual. Já era final do dia primeiro de janeiro de 2019, quando uma multidão se postou diante da sacada principal, do Palácio dos Leões, sede do governo maranhense.

Desde 1612, com Daniel de A Touche, fundador da cidade de São Luís, como capitão da França Equinocial, passando pelo primeiro governador Koen Anderson (1641/1642), até hoje, com Flávio Dino, o Maranhão teve 271 governantes, com diferentes denominações – de capitão e presidente – e governadores. Inclusive, o fundador de O Imparcial, João Pires Ferreira, que assumiu o governo em 1947. Roseana Sarney foi quem mais tempo passou no Palácio dos Leões – 14 anos em quatro mandatos alternados.

Recondução de Flávio Dino ao cargo de governador. Foto: Nael Reis/Secap

Após tomar posse do segundo mandato de governador na Assembleia Legislativa, nesta terça-feira (1º), o governador Flávio Dino foi reconduzido ao cargo em cerimônia em frente ao Palácio do Leões, no Centro Histórico de São Luís.

Sete representantes de segmentos da sociedade maranhense fizeram a transmissão de faixa para o governador, que foi reeleito. Cada uma dessas pessoas recebeu a faixa e transmitiu para a outra pessoa, até que chegasse a Flávio.

“Nada poderia me alegrar e me emocionar mais do que receber a faixa de governador do Maranhão de quem legitimamente ela vem: do povo simples, anônimo e humilde de nosso Estado”, afirmou Flávio.

Segundo ele, a cerimônia foi uma “celebração de amor, acima de tudo. Amor ao que fazemos, à política, à democracia, ao serviço público”.

“Celebração do amor”

Recondução de Flávio Dino ao cargo de governador. Foto: Jardel Scott/Secap

“Há quatro anos, quando assumi, me dirigi aos Leões [do Palácio dos Leões] e disse a eles ‘queridos Leões, bem-vindos à democracia e à República’. O mais belo é que, corridos os quatro anos, posso novamente me dirigir aos Leões e dizer ‘queridos Leões, vejam como a democracia e República fizeram bem a esse Palácio’”.

O governador lembrou que “esse Palácio é de todos” e nunca foi tão visitado em sua história. “Este Palácio é de todos porque o poder é de todos”.

De acordo com o governador, um de seus compromissos é continuar qualificando o serviço público. “Só é possível haver desenvolvimento com serviço público e gratuito para todos, respeitando e valorizando o setor privado”.

Lado a lado

Governador Flávio Dino ao lado da primeira-dama, Daniela Lima. Foto: Nael Reis/Secap

Flávio Dino ressaltou o papel do povo em sua gestão: “Quero agradecer a todos e todas a dizer que eu jamais me sinto sozinho dirigindo o Maranhão porque sei que vocês estão comigo, sempre lutam comigo e governam comigo todos os dias”.

“Acredito na democracia e por isso quero dizer que este Estado nunca se calou, este Estado do Maranhão nunca se omitiu”, acrescentou.

“Sou defensor da democracia, não acredito em guerra, em ódio ou em armas.”

Combate às desigualdades

Recondução de Flávio Dino ao cargo de governador. Foto: Nael Reis/Secap

Flávio lembrou que tem o “compromisso de combater a maior das corrupções, que é a desigualdade social”.

“Espero que todas e todos vocês vejam as minhas palavras e as sintam como palavras de verdade. É a minha festa com todos vocês. Mãos estendidas, coração pulsando, brilho no olhar e muita disposição de luta. Viva o Maranhão! Viva o Brasil!”

A vez dos índios

A primeira das pessoas a conduzir a faixa antes de chegar a Flávio Dino foi a cacique Libiana Pompeu Tavares, da Aldeia Mainumy, de Barra do Corda, representando a população indígena do Estado.

Em seguida, os docentes foram representados pelo professor Jermany Gomes Soeiro, da Escola Militar Tiradentes I, que teve o melhor desempenho estadual no mais recente Ideb (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica).

Pricila Nogueira Araújo Selares, coordenadora do Fórum Maranhense das Entidades de Pessoas com Deficiência e Patologias, foi a terceira e representou as políticas públicas para a inclusão.

A agricultora de Turiaçu e produtora de abacaxi Dionízia de Maria Costa Ribeiro representou as centenas de maranhenses contemplados com investimentos na agricultura nos últimos quatro anos.

Nelci Almeida Pinto, do Bumba Meu Boi de Soledade, representou a diversidade cultural. Virna Patrícia Pereira da Cunha, aluna do Iema, representou os milhares de estudantes beneficiados com as escolas de tempo integral implantadas no atual governo.

Amanda da Conceição Fontelle, estudante de Santa Luzia, representou os alunos das Escolas Dignas do Maranhão e levou a faixa até o governador.

Recondução de Flávio Dino ao cargo de governador. Foto: Jardel Scott/Secap

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *