Na teoria, Rodrigo Maia tem mais de 400 votos dos partidos

O apoio dos blocos confere musculatura a uma candidatura, mas não significa que todos os seus integrantes seguirão a orientação do grupo

Partidos formalizaram os blocos parlamentares na Câmara dos Deputados nesta sexta-feira e, segundo dados preliminares da Secretaria-Geral da Mesa da Casa, somados, dois blocos de apoio ao atual presidente Rodrigo Maia (DEM-RJ) somam mais de 400 votos a favor de sua reeleição.

A formação de blocos tem grande relevância da Casa, porque uma vez formados, funcionam como uma só bancada e têm peso na escolha de postos chave da Câmara que são decididos pela regra da proporcionalidade.

O apoio dos blocos confere musculatura a uma candidatura, mas não significa que todos os seus integrantes seguirão a orientação do grupo, como o próprio Maia reconheceu, na véspera, quando afirmou que é uma “honra” receber os apoios, mas “isso não garante nenhum voto no plenário”.

Dois blocos estão fechados com Maia: um governista formado pelo PSL, PP, PSD, MDB, PR, PRB, DEM, PSDB, PTB, PSC e PMN, com 301 deputados; e outro que conta com PDT, Podemos, SD, PCdoB, Patriota, PPS, Pros, Avante, PV e DC, com 105 integrantes.

O segundo bloco tem uma particularidade. Por uma decisão do próprio Maia, foi permitida a fusão e o Patriota incorporou PRP, assim como o PCdoB se juntou ao PPL, e o Podemos recebeu os deputados do PHS.

Pela determinação de Maia, a fusão terá efeito no cálculo da proporcionalidade e também da cláusula de desempenho, mas os partidos incorporados seguem existindo.

Do lado da oposição ao governo de Jair Bolsonaro, foi protocolado bloco constituído pelo PT, PSB, PSOL, e Rede, com 97 deputados.  O Novo, com 8 parlamentares, não fechou bloco com nenhuma outra sigla, assim como o PTC, que tem 2 deputados.

Os deputados tinham até às 13h30 para formalizarem os blocos. Mas têm até às 17h para protocolarem candidaturas à Mesa. Já registraram suas candidaturas, por ordem de protocolo, o General Peternelli (PSL-SP), JHC (PSB-AL), Fábio Ramalho (MDB-MG) e Ricardo Barros (PP-PR).

Muitos dos candidatos pertencem a partidos que participam de um dos blocos de apoio a Maia, mas apresentaram a chamada candidatura avulsa, com potencial de pulverizar os votos e dar margem à tradicional “traição”. Isso está na conta dos candidatos e demonstra que a simples soma dos integrantes dos partidos que fecharam acordo com o presidente pode não corresponder à realidade.

Fonte: Terra

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.