COM DECRETO DE BOLSONARO, MAIS DE 2 BILHÕES DE MUNIÇÕES PODEM SER COMPRADAS POR BRASILEIROS QUE JÁ TÊM ARMAS

 

O novo decreto sobre armas do governo de Jair Bolsonaro (PSL) autoriza a compra de pelo menos 2,1 bilhões de munições, a partir deste ano, por brasileiros que já possuem registro de arma de fogo. Essa quantidade é suficiente para que 5,7 milhões disparos sejam efetuados por dia no país.

Atualmente, há 350 mil armas registradas para defesa pessoal no Brasil e mais 350 mil para caçadores, atiradores e colecionadores, segundo dados obtidos por meio da Lei de Acesso à Informação pelo Instituto Sou da Paz.

No caso das armas para defesa pessoal liberadas pelas regras anteriores, o decreto nº 9.797/19 aumentou de 50 para 5.000 o limite de projéteis que podem ser adquiridos por ano.

Já no caso de armas de caçadores, atiradores e colecionadores, que têm um registro especial, o teto cresceu de 500 para 1.000 balas por arma – dependendo do calibre, o limite também pode chegar a 5.000.

Dessa forma, os novos limites permitem que pelo menos 2,1 bilhões de projéteis sejam comprados por quem já tem autorização para ter armas. Sob as regras anteriores, a quantidade máxima de munições autorizada seria de 193 milhões – menos de 10% do total liberado pela nova norma.

Como a quantidade de armamentos no Brasil deve crescer por causa da recente flexibilização na posse e no porte também assinada por Bolsonaro, a quantidade de balas que podem ser adquiridas tende a aumentar ainda mais.

Além disso, o novo decreto permite a compra de munições mais potentes, como a de 9 milímetros – que antes era proibida.

O presidente Bolsonaro argumentou que o decreto tem mais a ver com a “liberdade individual” do cidadão ter acesso às armas do que com projetos de segurança pública.

“Esse nosso decreto não é um projeto de segurança pública. É, no nosso entendimento, algo até mais importante que isso. É um direito individual daquele que porventura queira ter uma arma de fogo ou buscar a posse de uma arma de fogo, seja um direito dele, obviamente respeitando e cumprindo alguns requisitos”, afirmou Bolsonaro, durante assinatura da primeira versão do decreto, em 7 de maio.

“Por exemplo, nós tínhamos direito a 50 cartuchos por ano. Então, passaram para 1.000”, completou o presidente. “Nós fomos no limite da lei. Nós não inventamos nada e nem passamos por cima da lei. O que a lei abriu oportunidade para nós, nós fomos lá no limite.”

O decreto está sob questionamento em duas frentes: pode acabar sendo suspenso total ou parcialmente pelo Supremo Tribunal Federal (STF), ou ser derrubado pelo Congresso Nacional, que também tem instrumentos legais para fazê-lo.

Bolsonaro assinou decreto que flexibilizava regras sobre armas no dia 7 de maio, mas três semanas depois recuou em alguns pontos | WILSON DIAS/AGÊNCIA BRASIL

Mais munições nas mãos de civis

É provável que muitas das pessoas que têm armas não utilizem todo o limite de compra de munição. Mas caso uma pessoa adquira esse volume, poderá dar, em média, 14 tiros por dia no período de um ano.

Como o limite é por arma, se essa mesma pessoa tiver quatro armas – o número máximo permitido no decreto, exceto no caso de caçadores, atiradores e colecionadores – pode comprar 20 mil projéteis e atirar 55 vezes por dia durante todo o ano.

O texto do decreto não deixa claro se munições usadas dentro de clubes de tiros também seriam consideradas nesses limites. Ou seja, quando uma pessoa com porte de arma vai praticar em um clube de tiro, a quantidade de munições que utilizar será descontada do total a que tem direito em um ano?

De qualquer forma, o volume de munições liberado é muito superior ao usado nos treinamentos de policiais militares em São Paulo, por exemplo. Durante toda a formação, que leva um ano e meio, um recruta de soldado atira 350 vezes, em média. Já no curso anual de reciclagem, um PM efetua 50 disparos.

O total de 2,1 bilhões é, também, muito superior às compras de munições pelas forças de segurança pública brasileiras. Entre 2004 e 2018, a maior compra de projéteis pelas Forças Armadas foi de 19 milhões de unidades, realizada pela Marinha, segundo dados obtidos pela BBC News Brasil por meio da Lei de Acesso à Informação. Em segundo vem uma compra de 9,6 milhões de balas feita pelo Exército.

“O aumento do limite para 5.000 unidades é muito acima de qualquer critério razoável. O teto era 50 unidades e, de forma abrupta, o governo o aumentou em 100 vezes. Quando você extrapola esse limite para todas as pessoas que já têm arma, daria para atirar em toda a população brasileira”, diz Bruno Langeani, diretor e pesquisador do Instituto Sou da Paz.

De fato, o limite de 5.000 munições para cada uma das 350 mil armas já registradas para defesa pessoal é suficiente para atirar oito vezes em cada um dos 208 milhões de brasileiros.

Já Bene Barbosa, presidente da ONG Viva Brasil e ativista pelo direito ao acesso a armas de fogo, diz que o limite anterior, de 50 unidade por ano, “era completamente irrisório”.

“Esse novo limite atende àquelas pessoas que desejam treinar com sua arma. Levando em conta o custo da munição, que seria algo em torno de R$ 10 por cartucho, a pessoa gastaria R$ 50 mil para comprar o limite de 5.000 unidades. Provavelmente isso não vai acontecer com ninguém. Na prática, essa quantidade vendida será bem menor”, afirma Barbosa.

Alguns países, como Estados Unidos e Canadá, não estabelecem limites para compra de munição. Então, na prática, é possível comprar até mais do que as 5.000 balas autorizadas pelo novo decreto brasileiro.

Mas, segundo Robert Muggah, diretor de pesquisa do Instituto Igarapé, “muito mais países têm regras que limitam o número de munições que podem ser compradas por civis”. No Chile, por exemplo, são liberadas 500 munições por arma de defesa pessoal; no México e na África do Sul, 200.

Leia mais em BBC News

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.