PORTUGAL ‘INVENTOU’, MAS ESPANHA ENCONTROU O BRASIL? CIDADE NO NORDESTE QUESTIONA VERSÃO OFICIAL

 

Nas escolas de Cabo de Santo Agostinho, quem descobriu o Brasil foi o espanhol Vicente Yáñez Pinzón. A versão oficial, do descobrimento pelo português Pedro Álvares Cabral, também é apresentada, mas a história não para por aí.

Com 185 mil habitantes, o município da região metropolitana de Recife, Pernambuco, traz em seus livros didáticos o relato da chegada de Pinzón à cidade em 26 de janeiro de 1500, cerca de três meses antes do desembarque de Cabral.

“Essa história não pôde ser oficial na época por conta do Tratado de Tordesilhas. Toda essa gama histórica nós temos bastante arraigada no nosso município”, afirma a secretária municipal da Educação do Cabo, Sueli Lima Nunes.

O Tratado de Tordesilhas dividiu o “Novo Mundo”, a América, entre Espanha e Portugal. Uma linha imaginária passou a dividir as terras da região entre as potências colonizadoras de Madri e Lisboa.

Nunes afirma em entrevista à Sputnik Brasil que Pinzón batizou o município de Cabo de Santo Agostinho como “Santa Maria de la Consolación”, mas abandonou a região por conta do acordo entre as monarquias europeias. Ela também ressalta que os alunos da cidade são apresentados à “versão oficial” de Cabral, mas também aprendem sobre o navegador espanhol.

Brasil foi “achado”, e não “descoberto”, diz historiador

O Brasil foi “achado”, e não descoberto, ressalta o historiador Milton Teixeira. Desde o século XIII as terras do que hoje é conhecido como Brasil já estavam apontadas em mapas, ressalta o professor da Escola Técnica de Turismo do Rio de Janeiro.

“Na própria carta de Pero Vaz de Caminha, Pedro Álvares Cabral manda o rei olhar um mapa que ele tem do Pero Vaz Bisagudo onde estava esta terra assinalada”, diz Teixeira à Sputnik Brasil.

O professor, contudo, reconhece, que foi com Cabral que o Brasil foi “apresentado ao mundo”, mas ressalta que o ensino de história deve “instigar” e fazer os aluno pensar por si próprio, sem recorrer a “heróis da pátria fictícios que nunca existiram” e decorar datas.

Fonte: SputnikNews

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *