COMO A FRANÇA PRESERVA E EXPLORA SEU PEDAÇO DA AMAZÔNIA NA GUIANA FRANCESA

 

Do outro lado do Atlântico, falando desde a cidade de Biarritz sobre a necessidade de conter incêndios e desmatamentos na maior floresta tropical do mundo, o presidente francês, Emmanuel Macron, lembrou: “Somos da Amazônia”.

“Estamos todos preocupados. A França sem dúvida está ainda mais que outros atores à mesa, já que somos amazônicos”, disse Macron em vídeo gravado na véspera da reunião do G7 (grupo que reúne as sete maiores economias do mundo), onde o presidente francês protagonizou a inclusão na agenda da situação das queimadas na floresta, sobretudo na parte brasileira.

Como é possível que o país europeu tenha uma parte desta floresta sul-americana? A resposta está na Guiana Francesa, área a nordeste do nosso continente oficializada como uma colônia francesa e escravagista no século 17 e hoje considerada um departamento ultramarino da França – ou seja, como uma província do país europeu, portanto tendo como chefe de Estado o presidente governando em Paris, a 7 mil quilômetros de distância.

E o titular atual do Palácio do Eliseu, Macron, chacoalhou os críticos à gestão francesa da natureza na Guiana ao falar do Brasil, motivando a publicação recente de manifestos por representantes de povos nativos e ambientalistas.

Essas manifestações têm expressado, sobretudo, preocupações com o impacto da mineração – a ilegal é combatida como uma agenda de governo, já a concessão oficial de autorizações para pesquisa e exploração por empresas é alvo de controvérsia.

Fato é, porém, que as pressões sofridas pela natureza da Guiana Francesa são relativamente recentes.

Região amazônica na Guiana Francesa, com casas em palafitas em meio a árvores e na beira do rio
Região amazônica na Guiana Francesa; ao longo da história, ocupação no território se deu na costa, deixando áreas de floresta ao sul mais intocadas

O território, com um tamanho um pouco menor do que o Estado brasileiro de Santa Catarina, tem mais de 90% de sua área coberta por florestas – também na quase totalidade, por florestas primárias, aquelas com pouca ou nenhuma intervenção humana. Os números têm como referência dados da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO, na sigla em inglês) para 2010.

A título de comparação, no Brasil, o valor da cobertura florestal era naquele ano de 60%; no mundo, de 30%.

Boa parte (cerca de um terço) dessa cobertura florestal na Guiana está no Parc Amazonien de Guyane (PAG), criado em 2007 na categoria “parque nacional” – um tipo de área protegida com restrições à intervenção humana e à exploração econômica, apesar de haver exceções para populações originárias, como indígenas que ali vivem e podem por exemplo caçar e pescar para subsistência.

Como indica o nome, é aí, no sul da Guiana, limitada pela divisa com o Amapá, que está o pedaço francês na Amazônia. Na verdade, trata-se da maior área protegida não só da França, mas da União Europeia. Considerando-se toda a área da Amazônia, entretanto, cerca de 1,4% fica na Guiana Francesa, enquanto o Brasil lidera com aproximadamente 58%.

Segundo um relatório da União Europeia, um hectare da floresta da Guiana Francesa abriga mais espécies de árvores do que toda a Europa continental. Com uma área seis vezes menor que a França, a Guiana Francesa tem três vezes mais vertebrados, oito vezes mais peixes de água doce e cinco vezes mais répteis.

Mas muito antes da criação do Parc Amazonien de Guyane, contribuiu também o histórico de ocupação do território da Guiana Francesa.

Fontes consultadas pela BBC News Brasil indicam que, por uma série de motivos (entenda mais abaixo), como dificuldades de chegada e assentamento pelos europeus, historicamente a exploração de riquezas naturais pela França na Guiana existiu ao longo da ocupação mas foi muito mais limitada do que outras experiências coloniais nas Américas e na África.

A ocupação europeia também se concentrou na costa atlântica, onde fica inclusive a capital da Guiana, Caiena. Isso acabou por preservar as florestas ao Sul – como justamente a parcela que faz parte da Amazônia.

Esta história de ocupação tímida também se reflete na população do território – hoje em cerca de 290 mil pessoas, diferente dos países vizinhos Suriname (cerca de 560 mil) e mais ainda do Brasil (209 milhões).

Mas a população vem crescendo rápido, com estimativas de que possa chegar a 400 mil em 2030, contra 220 mil em 2008. Há também um clamor por maior pujança econômica ali, onde o desemprego atinge cerca de 20% da população – mais do que o dobro da porcentagem na França metropolitana. Essas pressões têm preocupado por seu impacto ambiental.

Fonte: BBC News

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *