ACOMPANHE AO VIVO O DISCURSO DE BOLSONARO NA ASSEMBLEIA GERAL DA ONU

Em sua fala, que abrirá o evento por volta das 10h (horário de Brasília), o presidente brasileiro uma defesa da soberania nacional em torno da Amazônia e da política ambiental do país.

O presidente Jair Bolsonaro fará nesta terça-feira (24), em seu primeiro discurso na Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), uma defesa da soberania nacional em torno da Amazônia e da política ambiental de seu governo.

Em sua fala, que abrirá o evento por volta das 10h (horário de Brasília), o presidente deverá dizer que o Brasil preserva 80% da mata amazônica original, tem matriz energética limpa e não alterou em nada a legislação ambiental, considerada rígida pela administração atual. Segundo reportagem da BBC News Brasil, Bolsonaro tentará reposicionar o Brasil no xadrez geopolítico internacional.

O líder brasileiro está sob intensa pressão internacional há meses em razão do avanço do desmatamento na região amazônica, principalmente por meio de queimadas. Há, inclusive, temor de hostilidade contra Bolsonaro no evento — representantes de alguns países poderiam se levantar e deixar o plenário nesse momento, por exemplo.

Ao longo do seu discurso, Bolsonaro também tentará desvincular as queimadas na Amazônia do fenômeno do aquecimento global. O chanceler brasileiro Ernesto Araújo, um dos que levantam controvérsias sobre o peso da ação humana na mudança climática em curso, tem tentado minimizar o impacto global da Amazônia ao dizer que a devastação da floresta seria responsável por 2% de todas as emissões de CO² no mundo.

Convencer a comunidade internacional tem se mostrado uma tarefa complexa. O discurso do Brasil na Cúpula do Clima, na ONU, foi cancelado, depois que os organizadores concluíram que o país não tinha o que dizer na reunião, ocorrida nesta segunda-feira (23).

O discurso do presidente Bolsonaro ocorre 70 anos após o diplomata brasileiro Oswaldo Aranha fazer pela primeira vez a abertura do encontro de nações, em 1949, inaugurando a tradição que, historicamente, daria ao Brasil a prioridade sobre o microfone e enunciando valores que norteariam a participação do país na ONU: o multilateralismo, uma agenda comprometida com a neutralidade e a mediação diante de conflitos internacionais.

Os discursos na ONU perante líderes de 192 países têm valor simbólico. A oportunidade foi usada por diferentes presidentes brasileiros ao longo da história para ressaltar prioridades no esforço de projeção global do país.

Fonte: Terra

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *