“EU SOU DOENTE, SENHOR PROCURADOR?”

 

O senador Fabiano Contarato questionou Augusto Aras sobre uma carta de “teses e princípios” que ele teria assinado, num compromisso com entidade evangélica do Ministério Público.

A carta diz que “a instituição familiar deve ser preservada como heterossexual e monogâmica. Eu sou delegado de política há 27 anos, sou professor de direito há 20 e estou senador da República. Tenho muito orgulho da minha família, eu tenho um filho. O senhor não reconhece a minha família como família? Eu tenho subfamília? Por que essa carta diz isso. Diz mais: estabelece cura gay. Eu sou doente, procurador?”

E prosseguiu: “Não, nós vivemos numa democracia. O artigo 5º da Constituição é claro. Todos somos iguais perante a lei sem distinção de qualquer natureza.”

Fonte: O Antagonista

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *