“Década”: Após críticas, Folha muda manchete de matéria sobre acesso de negros às universidades

O jornal foi criticado por omitir menção aos governos petistas em chamada e fez o nome de Lula ser um dos assuntos mais comentados do Twitter

Revista Fórum – A Folha de S. Paulo optou por modificar a polêmica manchete da reportagem que faz um balanço das políticas de ações afirmativas implementadas na última década. O texto, no entanto, segue sem mencionar os governos do PT.

Tarso Genro, ex-presidente nacional do PT e ex-ministro da Educação, foi um dos primeiros a criticar a chamada escolhida pela Folha: “década colocou os negros na faculdade, e não (só) para fazer faxina”. Segundo Genro, o título ignorava um sujeito histórico, o PT.

Sem citar os governos petistas da época, o texto afirma que a década de 2010 a 2020 foi marcada pela “conquista do direito dos negros ao conhecimento pelo acesso ao ensino superior”.

“Lula, eu, Haddad, Paim, Mercadante e os (as) petistas de todas as galáxias, que construímos esta revolução, agradecemos a manchete da Folha”, comentou Tarso. “Só que ‘década’ não é sujeito. Vocês já viram ‘década’ fazendo alguma coisa? Nela transcorre alguma coisa que alguém faz. Ou não?”, completou.

O ex-ministro Fernando Haddad também comentou: “Pois é, Tarso. Prouni, expansão das federais (Reuni), Fies s/fiador, criação dos Institutos Federais, Novo Enem, SiSU, Lei de Cotas etc. , tudo isso foi a Década que fez. Os governos da época e o movimento negro estavam na arquibancada assistindo a Década trabalhar”.

Nova manchete

A nova manchete agora aparece sem o “Década”, mas ainda assim omite os governos petistas: “Negros estão na faculdade, e não (só) para fazer faxina”.

Memes

Uma série de memes passou a circular em razão do título. O próprio perfil oficial do PT entrou na onda e publicou o tuíte: “Luiz Inácio Década da Silva. Dilma Década Rousseff”.

Outros usuários afirmaram, ironicamente, que votaram em “Década” e que “Década” teria sido um grande presidente.

Além disso, o nome do ex-presidente Lula acabou indo parar nos assuntos mais comentados do Twitter.

Polêmicas

A reinvindicação de Tarso, no entanto, não deixou de gerar polêmica. Alguns militantes do movimento negro apontaram que a fala do ex-ministro ignorava as lutas históricas do povo negro.

O sociólogo Wescrey Portes, pesquisador de Sociologia Política, Relações Raciais, Desigualdades Raciais e Representação Política, usou o Twitter para fazer uma ponderação sobre a situação.

“Sem articulação, coordenação política e organização do Movimento Negro dificilmente haveria Ações Afirmativas e sem governos democráticos e populares dificilmente haveria Ações Afirmativas. Parte significativa do Movimento Negro compôs os Governos do PT”, escreveu.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.