Em primeira coletiva à imprensa, Braide anuncia reestruturação do Governo Municipal

Por Raimundo Borges

Durante quase duas horas, na manhã de hoje (4), O prefeito de São Luís, Eduardo Braide, debateu com a imprensa local as mudanças na estrutura administrativa, com a criação de órgãos, fortalecimento de outros e extinção de um terceiro grupo, que os considera dispensáveis à sua gestão. Vai extinguir a Secretaria de Articulação Parlamentar, órgão “invisível” na Prefeitura e criar a Secretaria de Apoio aos Portadores de Deficiências, assim como a subprefeitura da Zona Rural, esta uma promessa de campanha.

Eduardo Braide em sua primeira entrevista coletiva como prefeito de São Luís

O prefeito também anunciou mudanças fiscais para fomentar a economia e aliviar a pressão sobre as empresas no que diz respeito ao pagamento de taxa de alvará. A lei atual isenta apenas as firmas que têm faturamento até R$ 177 mil mensais, faixa empresarial que ele pretende ampliar para valores mais elevados no faturamento. Com isso, as empresas ficam livres da burocracia e do pagamento, podendo investir até na geração de novos empregos durante a pandemia.

“A pandemia trouxe uma série de dificuldades, principalmente econômicas. Por isso, vamos aumentar o número de empresas com direito ao alvará de funcionamento. Hoje, o limite de faturamento é de R$ 177 mil, e agora será maior”, afirmou o prefeito.

Braide também disse que irá desburocratizar este sistema para que as empresas que têm direito tenham acesso a este benefício, já que hoje muitas empresas que podem ser beneficiadas não são.

Reforma administrativa

Por enquanto, o prefeito anunciou a extinção de uma secretaria e a criação de outra, além da criação de uma subprefeitura.

“Encaminharei a mensagem à Câmara criando a secretaria de pessoa com deficiência. Não criarei nenhum cargo. Essa secretaria virá da extinção da secretaria municipal de relações parlamentares. Esta nova secretaria vai dialogar com as outras”, pontuou.

Também foi anunciada a criação da subprefeitura da zona rural. Braide deve definir o nome do subprefeito esta semana, mas depois de ouvir as representações dessas áreas. O prefeito disse que ela será criada por lei e não por decreto como foi criada a outra subprefeitura do Centro histórico que existe mas ninguém sabe o que ela faz. Ela não será extinta, mas a nova gestão pretende dar-lhe estrutura e apoio financeiro para que o órgão cumpra com suas funções, que o centro histórico é uma de suas prioridades.

No dia seguinte à posse, sábado passado, o prefeito foi de surpresa aos hospitais de emergências de São Luís: Socorrão I e Socorrão II, este na Cidade Operária. Pôde ver pacientes nos corredores, pessoas que passam até mais de um mês em situação de internação, quando poderiam sair mais rápido se os hospitais dispusessem dos meios necessários. Ele conversou também com médicos e pediu à Secretaria de Saúde um relatório apontando os problemas e as soluções para reduzir o tempo de internação e melhoria das condições físicas dos dois prontos socorros.

Sobre o programa municipal de Vacinação, Eduardo disse que existe uma equipe técnica de especialistas, que trabalha já na finalização da parte executiva e logística. Eles se ofereceram para ajudar elaborar o plano, que está hoje na dependência do Plano Nacional de Vacinação do governo federal. Braide antecipou que as escolas, os terminais de integração, shoppings e outros locais serão utilizados para vacinar a população.

Sobre as obras do prefeito Edivaldo Júnior, as que faltaram ser concluídas, que são poucas ele vai terminar. O programa São Luís em Obras foi executado por Edivaldo com recursos de dois empréstimos: um na Caixa Econômica, que o dinheiro foi todo gasto e outro do Banco do Brasil que sobrou pouco. “Mas os débitos, a prefeitura vai ter que pagar”. Para manter a integridade das praças construídas no fim da gestão passada, Braide disse que vai usar a Guarda Municipal e criar comitês dessas praças nos bairros, com os moradores, para que eles cuidem da preservação.

Outra mudança é a reorganização da secretaria de projetos especiais. Agora, ela será de inovação, sustentabilidade e projetos especiais.

“Todos os grandes projetos de São Luís terão olhar voltado para a sustentabilidade e olhar criativo”.

Outra reestruturação é da Fundação municipal do patrimônio histórico. Segundo o prefeito, ela terá muito mais protagonismo. “A Fundação teve um papel muito passivo nos últimos anos. Ela será empoderada pra dar muito mais resposta”, afirmou.

O prefeito disse que essa semana deve anunciar os nomes das pastas que ainda faltam.

Respeito à imprensa

No primeiro encontro com a imprensa de São Luís, o prefeito Eduardo Braide foi objetivo, seguro e demonstrou conhecer em detalhes os problemas da capital maranhense que ele assumiu no dia primeiro. Foi seu primeiro dia útil de trabalho, onde ele preferiu perder a manhã falando com os jornalistas, sem dúvida, valorizando os meios de comunicação como ferramentas indispensáveis na relação do gestor com a população.

É a única vez na história recente de São Luís que um prefeito começa sua primeira semana de trabalho abrindo um canal de comunicação com a cidade pelas mídias. É sinal de respeito e valorização do papel da imprensa, sustentáculo da liberdade democrática, e da classe médica.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.