Em 1996, um trágico acidente de avião tirou a vida dos Mamonas Assassinas e chocou o País

Na última sexta-feira, 5, o Brasil foi abalado pela repentina morte da cantora Marília Mendonça. A diva do sertanejo fazia uma viagem em um avião bimotor quando este se acidentou pouco antes de fazer seu pouso no Aeroporto de Caratinga, em Minas Gerais.

A incerteza e preocupação a respeito do estado da artista se transformaram em choque nacional quando foi confirmado que ela havia, de fato, perdido sua vida na tragédia.

Conforme divulgado pela Globo, a aeronave teria se chocado contra o cabo de uma torre da Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig), o que fez com que perdesse um dos motores e caísse.

Infelizmente, nenhum dos passageiros resistiu ao episódio. Não apenas Marília morreu, mas também seu tio e assessor, Abicieli Silveira Dias Filho, seu produtor Henrique Ribeiro, e ainda o piloto e copiloto da aeronave.

O luto enfrentado pelos brasileiros após a perda da cativante cantora, então, foi comparado por intenautas nas redes sociais, já que se assemelha ao que ocorreu no ano de 1996, após os Mamonas Assassinas sofrerem, também, um acidente fatal de avião.

A banda

Autoproclamados como uma banda do gênero “sonrisal”, os Mamonas Assassinas realizavam seu último show no estádio Mané Garrincha, em Brasília, na noite do dia 2 de março de 1996.

Coincidentemente, o show era o último da turnê; os rapazes retornariam a Guarulhos, cidade onde o conjunto foi formado, e pousariam no aeroporto, em Cumbica, São Paulo. Com o fim da turnê, iniciariam os preparativos para a gravação do segundo disco, em Portugal.

No entanto, o avião Learjet PT-LSD — que já apresentava erros durante o último mês de uso, conforme documentado pela equipe do MTV na Estrada — que acompanhou a banda em alguns dias da turnê, tinha um piloto com apenas 170 horas de voo naquele modelo de aeronave. O recomendado seria 500 horas, como informou a Folha.

Os Mamonas Assassinas durante apresentação em Fortaleza / Crédito: Wikimedia Commons

Engano fatal

Graças a um erro de aproximação, a primeira tentativa de pouso na pista do aeroporto foi um total fracasso, obrigando o mesmo a retomar o voo e realizar um contorno. Afirmando ter condições visuais, o piloto solicitou o contorno à esquerda, que foi aceito erroneamente pela torre de comando.

O erro resultou em uma virada direcionada a Serra da Cantareira, em alta velocidade e com a visão prejudicada, levando o avião a colidir em alta velocidade com a montanha — resultando em uma grande fumaça identificada por um avião da Varig, que informou Cumbica sobre o sumiço no radar.

Todos os 7 passageiros, incluindo DinhoBentoJúlio e os irmãos Sérgio e Samuel, membros do Mamonas, e os dois tripulantes que conduziam a aeronave faleceram imediatamente com o choque.

Mais em AH

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *