Debandada em massa no INEP vai prejudicar provas do Enem?

Aplicação do Enem é segura e prova não será adiada', afirma presidente do  Inep | Jovem Pan
Por Raimundo Borges
O Imparcial – Não faz muitos anos que o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) era um orgulho no Brasil e um número estatístico de dimensão mundial. Orgulho porque levava milhões de estudantes se unirem na mesma prova para ter acesso à Universidade, um sonho de qualquer jovem em qualquer parte do Planeta. Era a porta de entrada da escola publica e privada na faculdade pública. A coroação de uma prova de tamanha dimensão que chegava ao fim sem muita atribulação era exemplar. Exceto quando aqui e acolá fraudadores tentavam tirar proveito na fraude, quase sempre descoberta a tempo de prender os criminosos.

Porem, em 2021, com o sistema educacional brasileiro sofrendo todo tipo de desmonte, principalmente financeiro, o Enem sofre mais um revés a apenas duas semanas de sua realização. Na última semana, 31 servidores do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) pediram exoneração. Só na segunda-feira (8) foram 29. Desses, 27 trabalham em áreas diretamente ligadas ao Enem e 22 são coordenadores. O exame será aplicado nos dias 21 e 28 de novembro, mas são esperadas outras baixas de servidores do Inep ligados ao Enem nos próximos dias.

Pedidos de demissão em massa no Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais, a menos de duas semanas da realização do Enem, ameaçam por em risco o que, antes que começasse a encolher ano após ano, já foi o maior exame de suficiência de estudantes de todo o mundo.

Desde sexta-feira, 22 coordenadores e nove outros funcionários importantes da instituição entregaram seus cargos, por não aceitarem mais o esvaziamento do Inep, a sua politização e o que descrevem como “assédio profissional” a que estão submetidos dentro da instituição.

Revés do Enem em 2020

O Enem sofreu um tremendo baque com a pandemia em 2020 e em 2021, ao final do primeiro período de inscrições, de 30 de junho a 14 de julho, o Inep registrou o menor número de inscritos desde 2005. Foram apenas 3.109.762, o que representava uma queda de quase 3 milhões em comparação com 2020, quando as provas foram realizadas pelo sistema remoto.

O número tinha sido impulsionado pela regra do Ministério da Educação (MEC) que proibia a isenção de taxa àqueles que tiveram o direito na edição anterior do exame, mas não compareceram nos dias das provas e não apresentaram uma justificativa.

No Maranhão ocorreu um crescimento de 111% em número de reeducandos inscritos no  ENEM PPL 2021. O Sistema Penitenciário Maranhense tem mais de 1.760 custodiados inscritos na prova de ingresso na Universidade em 2021, que acontecerá nos dias 09 e 16 de janeiro de 2022. Entre os dias 14 e 26 de setembro, 280.145 isentos que não compareceram ao Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2020 se inscreveram na edição 2021.

Também no Maranhão, 11.676 candidatos retardatários garantiram participação no seletivo sem precisar pagar taxa. Durante esse período, essas pessoas tiveram uma nova oportunidade de realizar a inscrição. Nesses casos, as provas serão aplicadas nas mesmas datas do exame para Pessoas Privadas de Liberdade ou sob medida socioeducativa que inclua privação de liberdade (Enem PPL): 9 e 16 de janeiro de 2022. A isenção da taxa de inscrição também está assegurada a esse público.

Decisão do STF muda quadro

Com a pandemia de Covid, o Enem 2020 registrou abstenção recorde e o número refletiu nos inscritos de 2021. Após o MEC decidir que manteria a proibição de isenção nestes casos, partidos e entidades acionaram o Supremo Tribunal Federal (STF) sob o argumento de que muitos candidatos que faltaram ao Enem 2020 estavam, por exemplo, com receio de pegar Covid ou estavam com algum sintoma da doença.

O STF determinou, então, a reabertura de inscrições para quem perdeu direito à gratuidade por não ter comparecido em 2020. A determinação pode garantir a participação de quase 3 milhões de estudantes que não se inscreveram para a atual edição do Enem.

Com as novas datas de inscrição, o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) definiu outras datas para a aplicação das provas para os novos participantes.

Segundo o órgão, a decisão de definir novas datas de aplicação das provas para os isentos ausentes na edição 2020 foi tomada para garantir o direito dos participantes de utilizarem o resultado do exame para acesso à educação superior por meio do Sistema de Seleção Unificada (Sisu), do Programa Universidade para Todos (ProUni) e do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies), programas do Ministério da Educação (MEC).

Cronograma das provas ficou assim:

Enem regular e digital: 21 e 28 de novembro

Enem para isentos em 2020 e PLL: 9 e 16 de janeiro de 2022

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *