Tudo o que você precisa saber sobre a Gripe H3N2

A Gazeta  – Subespécie do vírus Influenza A, os casos de gripe H3N2 têm aumentado no Brasil nos últimos meses. Alguns estados, como São Paulo e o Rio de Janeiro, já emitiram alertas epidemiológicos sobre a situação.

A nova variante do influenza (H3N2), a cepa Darwin, é apontada como mais transmissível que a gripe comum. Subespécie do vírus Influenza A, os casos de gripe H3N2 têm aumentado no Brasil nos últimos meses. Alguns estados, como São Paulo, Bahia e o Rio de Janeiro, já emitiram alertas epidemiológicos sobre a situação.

No Espírito Santo, apesar de registrar uma epidemia de gripe comum,  ainda não há confirmação se é a mesma variante que está afetando a população capixaba.

O surto de H3N2 no país está associado à maior circulação das pessoas e ao relaxamento das medidas de proteção adotadas durante a pandemia da Covid-19. Ou seja, as medidas de isolamento também impediram a circulação de outros vírus, como os gripais.

A H3N2 provoca os típicos sintomas de gripe, como dor de cabeça, febre e congestão nasal. Por isso, é importante que a pessoa que tenha esses sintomas repouse e beba bastante líquido para eliminar o vírus. Além de se isolar entre 5 e 6 dias após apresentar os sintomas.  Depois desse período, é necessário esperar a febre cessar completamente por 24 horas para retornar o contato social.

É fundamental buscar ajuda médica se os sintomas forem muito intensos nas primeiras 48 horas, se a pessoa apresentar falta de ar e se os sintomas persistirem por mais de sete dias.

TRANSMISSÃO E COMO EVITAR

A transmissão ocorre do mesmo jeito da gripe comum: por meio de gotículas que ficam suspensas no ar quando a pessoa doente tosse, fala e espirra. O contágio também pode acontecer no contato direto com a pessoa infectada.

Uma maneira de combater a transmissão é tomar a vacina contra a gripe disponibilizada pelo governo. Ela protege contra os vírus da H1N1, H3N2 e a influenza B. Sendo importante que se tome a vacina todos os anos, principalmente crianças e idosos. A vacina é atualizada a cada ano e a atual ajuda a conter parte da nova cepa.

Uso de máscara é importante para evitar transmissão. Crédito: Carlos Alberto Silva
Uso de máscara é importante para evitar transmissão. Crédito: Carlos Alberto Silva

Além da recomendação da manutenção do uso de máscara e distanciamento social, evitar a permanência prolongada em locais fechados com muitas pessoas, não levar a mão aos olhos ou a boca antes de lavá-los.

ORIGEM DA NOVA VARIANTE

Tudo indica que a nova cepa da variante do influenza (H3N2), chamada de Darwin, veio do Hemisfério Norte, região que passa atualmente pelo inverno. A informação é confirmada pelo fato de que a cepa que transita no Brasil é a mesma presente na Europa e nos Estados Unidos.

PRINCIPAIS SINTOMAS DA H3N2

  • Febre alta, acima dos 38ºC;
  • Dor de cabeça;
  • Dor de garganta
  • Espirros;
  • Tosse;
  • Coriza;
  • Calafrios;
  • Cansaço excessivo;
  • Náuseas e vômito;
  • Diarreia, sendo mais frequentes de acontecer em crianças;
  • Moleza.

RISCO É MAIOR EM:

  • Idosos
  • Crianças
  • Gestantes e mulheres que acabaram de dar a luz
  • Portadores de doenças crônicas e imunocomprometidos
  • Obesos

DICAS PARA PREVENÇÃO

  • Lavar as mãos com agua e sabão, principalmente antes das refeições e após tossir ao espirrar;
  • Higienizar as mãos com álcool 70%;
  • Sempre cobrir a boca e nariz ao tossir e espirrar;
  • Usar lenços descartáveis;
  • Não compartilhar objetos de uso pessoal, como copos;
  • Evitar ambientes com aglomeração;
  • Manter ambientes ventilados;
  • Evitar contato com doentes;
  • Adotar hábitos saudáveis de alimentação

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *