Dia do fico: por que D. Pedro I tomou essa decisão há 200 anos?

AH – No dia 9 de janeiro de 1822, o então príncipe regente D. Pedro I, decidiu permanecer entre os brasileiros.

No dia 9 de janeiro de 1822, o então príncipe regente D. Pedro I recebeu uma carta da corte de Lisboa, a qual exigia sua volta para Portugal.

O motivo era que os portugueses, que ansiavam pela recolonização do Brasil (à época um Reino Unido a Portugal e Algarves), viam a permanência do filho de D. João VI como um grande impedimento para alcançar seus objetivos. Entretanto, o herdeiro do trono acabou contrariando suas expectativas.

Naquele histórico dia, Pedro I se dirigiu a uma das janelas do Paço Real, que mais tarde receberia o nome de “Paço Imperial”, e proclamou: “Se é para o bem de todos e felicidade geral da Nação, estou pronto! Digam ao povo que fico”.

Mas o que fez com que o príncipe escolhesse ficar no Brasil?

Paço Imperial / Crédito: Wikimedia Commons / Carlos Luís M. C, da Cruz

Eventos anteriores

Para entendermos o Dia do Fico, é preciso recuperar algumas informações importantes da época. A chegada da família real portuguesa em 1808, em razão da ameaça de invasão de Portugal por parte de Napoleão Bonaparte, foi um dos principais eventos do princípio do século 19.

A transformação do Brasil no novo centro do Império português, resultou no importante processo de desenvolvimento do Novo Mundo. Porém, a elevação do país a Reino Unido, em 1815, não agradaria os habitantes da metrópole, que queriam o Brasil como Colônia.

Retrato de D. João VI / Crédito: Wikimedia Commons / Albert Jakob Frans Gregorius

A volta de D. João VI

Com o fim da era napoleônica e com a crise política na Europa, eclodiu em Portugal a chamada Revolução Liberal do Porto, já no ano de 1820.

Na época, as elites de Lisboa, que exigiam a volta do rei, adotaram uma nova Constituição. A mudança fez com que D. João VI temesse pela perda do trono e, assim, decidisse retornar ao país europeu. O monarca, porém, deixaria seu filho D. Pedro I, como príncipe-regente.

Mas as cortes portuguesas não aprovavam a forma como Pedro administrava o Brasil e queriam a recolonização do território. Desse modo, passaram a pressionar o príncipe para que também retornasse a Lisboa, deixando o governo do país nas mãos de uma junta que estivesse sob comando português.

D. Pedro I em retrato de 1834 / Crédito: Wikimedia Commons / Autor desconhecido

Pedidos de permanência e decisão de Pedro I

Contudo, ao verem a pressão feita pelos portugueses, políticos brasileiros decidiram lutar pela permanência de Pedro I e entregaram a ele uma lista com cerca de  8 mil assinaturas para que ficasse no país.

O príncipe regente decidiu ouvir os brasileiros, declarando publicamente que ficaria no território. A declaração do fico em janeiro de 1822 marcaria uma nova era da história nacional, uma vez que culminaria no processo de Independência, no mês de setembro daquele mesmo ano.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *