BRIZOLA, 100 ANOS

Por Léo Costa*
Deus me proporcionou a fortuna de guardar centenas de fotos que registram flagrantes e instantes que falam de histórias de lutas e sonhos. Vejo as fotos de Brizola passando por aqui. Vejo a foto da velha casa do Jackson e da Clay lá no Cutim do Anil, no dia em que Jackson retornou da viagem a Portugal onde participou do ENCONTRO DE LISBOA, no qual Brizola, Neiva, Darcy Ribeiro, Francisco Julião e outros decidiram pela reconstrução do Velho PTB, Partido Trabalhista Brasileiro. A Anistia batia nas portas de nossa história. Eu e uma pequena turma atendemos a esse apelo. A vanguarda da esperança reformista-socialista já não era mais dos trabalhistas em volta de Brizola. Não foi fácil decidir pelo renascimento do PTB. Colegas nossos de universidade, de igreja, de imprensa e de esquerda tratavam Brizola com escárnio: caudilho, populista, velho ultrapassado, a serviço do Golbery e dos americanos, etc. Sem a âncora forte dos nomes de Neiva Moreira e de Jackson Lago não teríamos no Maranhão (no agora PDT) chegado até sentar no gabinete de governador do Palácio dos Leões.

Antes mesmo da volta dos exilados fiz minha escolha. Das razões, pode-se escrever artigos. Mas uma das coisas que me encantou no Programa do PDT foi a criatividade da introdução com os Sete Compromissos Prioritários. Tudo leva a crer que tenha o dedo e o tino do brilhante antropólogo Darcy Ribeiro. Começa pontuando: nosso primeiro compromisso é com as crianças do Brasil. Começa dando nome aos bois, começa do começo. E é simples, é lógico, é sensato.

A criança é a base, é o alicerce de qualquer família, comunidade ou país. A criança não pode ser escondida por detrás da chamada educação. Como está a criança brasileira no IDEB? Como está a criança brasileira no PISA? Como anda a aplicação do Direito de Aprender de toda criança brasileira. Há união de lideranças e de gerações frente a este propósito de educar adequadamente a criança brasileira? Que partido, sindicato, que liderança de fato incorpora e defende este Sagrado Direito de Aprender?

Quando de Barreirinhas lancei o Programa Municipal da Escola Digna pensava sem cessar nas figuras de Darcy Ribeiro, Brizola, Neiva e Jackson Lago, nossos patronos fundadores. Como prefeito duas vezes fui obrigado a ver e até hoje vejo: poucas vozes se levantam em prol da criança. Vejo muitas vozes em prol da educação, mas que não se explica. O país está fraco. Seus alicerces são construídos sobre rachaduras de improvisações e fragilidades. Da minha pequenina Barreirinhas tentei levantar a voz pelo direito de aprender das crianças dos lençóis (justamente o que está escrito e determinado no Programa do Velho Partido).

Em meados de 2016 fui sacado, pela esquerda maranhense, dos quadros do Velho PDT, sendo eu um dos onze fundadores da criativa legenda. Honestamente, sem qualquer mágoa ou rancor, acho que o PDT morreu. Permanece no entanto o ideário de seu criativo programa, atual e eterno. Aliás, está na Bíblia. Se quisermos uma casa forte, construamos sobre rochedos. Se construirmos sobre areia, essa casa não resistirá às intempéries do tempo. Das mais expressivas batalhas travadas pelo Velho Leonel, uma das mais valiosas e necessárias é sem dúvida a que mira a edificação e proteção da criança brasileira.

100 anos passam ligeiro. Bom seria se para homens como Brizola o tempo corresse mais devagar.

*Léo Costa, sociólogo e ex-prefeito de Barreirinhas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *