A renda encolheu

Por Raimundo Borges

O Imparcial – Se não bastasse a tragédia de mais de 661 mil vidas perdidas na pandemia do Coronavírus no Brasil, também a economia fez um imenso estrago irreparável na renda da população em 2021. Pesquisa do IBGE, divulgada nesta quinta-feira (07) traz um dado desanimador.

A renda média dos brasileiros no último trimestre de 2021 foi de R$ 1.378 em regiões metropolitanas. É o menor valor da série histórica do boletim Desigualdade nas Metrópoles, iniciada em 2012, mesmo com aumento da população ocupada. Trata-se de primeiro documento com as apurações desde o início da pandemia em fevereiro de 2020.

Em março, o mesmo órgão já apontava uma queda de 10% no ano anterior, na renda média do trabalhador. O brasileiro ganhou, em média R$ 2.489, no trimestre encerrado em janeiro de 2022, de acordo com dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua).

Para o IBGE a perda é resultado do impacto da inflação. Em março, o IPCA-15 (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15), considerado a prévia da inflação oficial, registrou alta de 0,95%, a maior para um mês de março desde 2015. Como não poderia ser diferente, os alimentos foram responsáveis pelo estrago.

No entanto, os dados divulgados já apontam uma reação positiva para ligeira recuperação entre os mais pobres, que passaram a receber os benefícios do auxílio Brasil de R$ 400. Parte da renda perdida na pandemia, está sendo recuperada. Mesmo assim, essa faixa social ainda amarga uma renda 8,9% menor em relação ao patamar imediatamente anterior à pandemia.

O início da recuperação explica-se pela retomada de trabalhos informais, a principal fonte de renda dos mais pobres. Durante a fase mais crítica da covid19, imenso contingente de trabalhadores foi demitido, ficou em casa ou migrou para a informalidade.

Entender isso, não é um exercício simples. A informalidade grassando no ambiente da pobreza permitiu que os 40% mais necessitados vissem o rendimento per capita do trabalho, subir de R$ 195 para R$ 239 entre o quarto trimestre de 2020 e 2021.

Ao contrário, a renda dos 10% mais ricos caiu de R$ 6.917 em 2020 para R$ 6.424 em 2021. Enquanto isso, as famílias com renda per capita inferior a 1/4 do salário mínimo estão há dois anos enfrentando uma situação de perda contínua. As consequências mais diretas sobre essa realidade recaem no grupo das crianças, afetadas pela renda insuficiente de suas famílias.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *