Dois caxienses na história do Hino Nacional Brasileiro

—- Neste 13 de abril de 2021 completam-se 191 anos do Hino do Brasil
—- E outro caxiense é o criador da Bandeira Brasileira

Após a Independência do Brasil, em 1822, e a abdicação de Dom Pedro 1º, transferindo o trono imperial para seu filho Dom Pedro de Alcântara (Dom Pedro 2º), em 7 de abril de 1831, havia quem manifestasse sua alegria escrevendo textos para jornais, discursos para plateias e até composições musicais.

Entre esses artistas manifestantes, estava o maestro Francisco Manuel da Silva, nascido na cidade do Rio de Janeiro em 1795 (morreu em 1865). É dele a música do nosso Hino, composta logo após a abdicação de Dom Pedro 1º e executada em público pela primeira vez em 13 de abril de 1831, no Rio de Janeiro, há 191 anos.

Mas o Hino passaria 91 anos sem ter sua letra, adotada e oficializada às vésperas do centenário da Independência do Brasil, em 1922. Foi o maranhense Coelho Netto, escritor de renome e à época deputado federal, que em 1906 apresentou proposta de o Hino Nacional ter uma letra que fosse tornada oficial pelo Governo.

Em princípio a proposta não foi aprovada e Coelho Netto a reapresentou em 1910. Foi escolhida a letra, feita em 1909, do escritor e professor Joaquim Osório Duque-Estrada, nascido no Estado do Rio de Janeiro em 1870 (morreu em 1927). O Governo comprou a letra e a tornou oficial por decreto de 6 de setembro de 1922.

O Hino Brasileiro tem a participação de dois maranhenses: Coelho Netto, como autor da proposta para a música do Hino ter uma letra; e Gonçalves Dias, que tem reproduzidos na letra do Hino dois versos da segunda quadra de sua “Canção do Exílio”, composta em 1843 ainda com 19 anos de idade.

Ambos os maranhenses são da cidade de Caxias. Antônio Gonçalves Dias nasceu em 1823 e morreu em 1864. Henrique Maximiano Coelho Netto nasceu em 1864 e faleceu em 1934.

Por estar muito ligada ao Hino Nacional, registre-se que a Bandeira do Brasil, que existe desde 19 de novembro de 1889, é criação também de outro caxiense — Raimundo Teixeira Mendes, filósofo, matemático e escritor.

Das 5570 cidades brasileiras, incluídas as capitais, Caxias é a única, por intermédios de filhos seus, com presença tão fundamental na existência dos dois maiores símbolos do País.

Quando a Bandeira Brasileira é hasteada, também se eleva nossa cidade.

Quando se canta o Hino Nacional, também se (en)canta Caxias.

EDMILSON SANCHES
edmilsonsanches@uol.com.br
Administração – Comunicação – Desenvolvimento – História – Literatura
PALESTRAS, CURSOS, CONSULTORIA

Fotos: Francisco Manuel da Silva, Joaquim Osório Duque-Estrada e os caxienses Henrique Maximiano Coelho Netto, Antônio Gonçalves Dias e Raimundo Teixeira Mendes, em livro de Edmilson Sanches.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *