27 de maio de 2024
DestaquesGeral

Caso da atriz pornô: começa julgamento que pode enviar Trump à prisão

Promotoria de Nova York afirma que Trump maquiou o pagamento para a atriz pornô como se fosse um desembolso ao seu advogado. Ao todo, ele responde a 34 acusações.

Começou nesta segunda-feira (15) o primeiro dos quatro julgamentos criminais nos quais o ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump é réu. Esta é também a primeira vez que um ex-presidente é julgado criminalmente na história dos EUA

A sessão desta segunda, em um Tribunal de Manhattan, em Nova York, será dedicada à definir o júri do caso. A defesa de Trump também pediu a troca do juiz responsável pelo caso, mas o pedido foi negado no início da sessão.

Na chegada ao tribunal, no início desta manhã, Donald Trump disse que o julgamento é uma perseguição política e um ataque aos Estados Unidos.

Todo o quarteirão ao redor da corte foi isolado, para evitar tumultos. Mesmo assim, dezenas de pessoas fizeram manifestações a favor e contra o ex-presidente.

No total, são 34 acusações, cada uma delas punível com até 4 anos de prisão (veja mais abaixo perguntas e respostas sobre o caso). Donald Trump declarou-se inocente e afirma que ele é vítima de uma “caça às bruxas” dos democratas para impedi-lo de voltar à Casa Branca.

Ele é o único pré-candidato do Partido Republicano nas eleições presidenciais e disputará com Joe Biden, atual presidente dos EUA, do Partido Democrata. As eleições ocorrem em 5 de novembro.

No pior dos cenários para ele, Trump pode ser condenado à prisão, uma situação inédita na política americana.

As sessões do julgamento devem ocorrer até as 16h30, de segunda até a próxima quarta (17).

Manifestante carrega cartaz contra Donald Trump próximo ao tribunal onde ele será julgado pela acusação de esconder pagamentos a uma atriz pornô, em 15 de abril de 2024. — Foto: Shannon Stapleton/ Reuters
Manifestante carrega cartaz contra Donald Trump próximo ao tribunal onde ele será julgado pela acusação de esconder pagamentos a uma atriz pornô, em 15 de abril de 2024. — Foto: Shannon Stapleton/ Reuters
Ex-presidente dos EUA Donald Trump deixa a Trump Tower, em Nova York, em direção a julgamento no qual é acusado de ocultar pagamento a ex-atriz pornô durante campanha, em 15 de abril de 2024. — Foto: Yuki Iwamura/ AP
Ex-presidente dos EUA Donald Trump deixa a Trump Tower, em Nova York, em direção a julgamento no qual é acusado de ocultar pagamento a ex-atriz pornô durante campanha, em 15 de abril de 2024. — Foto: Yuki Iwamura/ AP
Ex-presidente dos EUA acena antes de se dirigir a tribunal dos EUA para julgamento criminal — Foto: Charly TRIBALLEAU / AFP
Ex-presidente dos EUA acena antes de se dirigir a tribunal dos EUA para julgamento criminal — Foto: Charly TRIBALLEAU / AFP

Entenda a acusação

Montagem mostra Stormy Daniels e Donald Trump — Foto: Ethan Miller, Olivier Douliery/AFP
Montagem mostra Stormy Daniels e Donald Trump — Foto: Ethan Miller, Olivier Douliery/AFP

Segundo a acusação, o republicano pagou US$ 130 mil (R$ 660 mil na cotação atual) na reta final da campanha presidencial de 2016 à ex-atriz pornô Stormy Daniels para que ela se mantivesse em silêncio sobre uma relação sexual extraconjugal que os dois tiveram em 2006 (Trump sempre negou que tenha tido um caso com Stormy Daniels).

Essas ações em si não são crimes, mas a promotoria afirma que Trump maquiou esse pagamento como se fosse um desembolso ao seu advogado. Ou seja, o ex-presidente está sendo julgado por esconder esse valor nos registros fiscais.

A promotoria afirma que esse dinheiro, na verdade, era uma despesa de campanha, já que o propósito final do pagamento era impedir que uma informação que pudesse atrapalhá-lo na reta final nas eleições de 2016. Portanto, para a acusação, Trump escondeu um gasto de campanha e deve ser julgado também por isso.

Quem fez o pagamento foi Michael Cohen, então advogado pessoal de Trump —e hoje adversário dele.

Como havia um grupo de pessoas envolvidas no esquema, também há acusação de conspiração.

Foi “uma conspiração para fraudar a eleição presidencial e mentir em documentos comerciais para encobri-la”, segundo o promotor distrital de Manhattan, Alvin Bragg. Em Nova York, os promotores são eleitos para o cargo; ele é do Partido Democrata, adversário de Trump.

A defesa afirma que Trump fez os pagamentos porque estava sendo extorquido.

A acusação, no entanto, diz que essa era uma prática recorrente de Trump, já que ele usou esse mesmo esquema outras duas vezes —para pagar um porteiro e uma outra mulher com quem ele teria tido uma relação.

Para os promotores, os eleitores americanos foram enganados quando venceu as eleições presidenciais de 2016 contra Hillary Clinton.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *