12 de junho de 2024
DestaquesGeralPolítica

Lula e José Sarney num encontro emblemático

Por Raimundo Borges

O Imparcial – Com um ano e meio à frente do Palácio do Planalto pela 3ª vez, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva fugiu de sua agenda oficial para visitar o ex-presidente José Sarney em sua residência na capital federal. Os dois têm partes significativas da história do Brasil, nos séculos 20 e 21.

São únicos na política brasileira em duas situações em que a democracia venceu a impostura e saiu mais fortalecida. Sarney saiu da presidência do PDS, que substituiu a Arena no regime ditatorial, para ingressar no MDB e se unir ao líder da resistência democrática Tancredo Neves. Com a morte de Tancredo, Sarney fez como líder incontestável, transição para a democracia, com a Constituição de 1988.

Lula foi conversar com Sarney, que completou 94 anos em abril, numa demonstração de respeito a quem o apoia desde 2002, contra a posição de seu partido, o PMDB. Com 78 anos, Lula se transformou numa das maiores lideranças do ocidente, mas no Congresso e em setores econômicos, como o Agro, enfrenta  oposição tão raivosa como foi a que se articulou contra o maranhense de pinheiro, único a presidir o Congresso Nacional por quatro vezes e ser eleito três vezes pelo Amapá.

No Planalto, mesmo com o crescimento do PIB de 8,5% em 1986, Sarney teve que recorrer à medida radical do Plano Cruzado, com o qual derrubou inflação e fez explodir, temporariamente, sua popularidade.

Porém, nem os dois planos cruzado, nem o congelamento de preços por um ano, muito menos o “gatilho salarial” e plano Verão dobraram a inflação por muito tempo. Com toda essa situação, pressão social do pós-ditadura e o Congresso de maioria contra, Sarney colocou o cacique baiano Antônio Carlos Magalhães no Ministério das Comunicações, como o artífice das negociações política.

Como moeda de trocas, foram mais de mil concessões de rádio AM, FM e TV aos parlamentares. Com isso Sarney obteve cinco anos de mandato, ao invés de quatro, como tentou a oposição. Como não havia internet nem rede social, as emissoras viraram um poder paralelo nas mãos dos políticos, inclusive no Maranhão.

Quanto ao presidente Lula, que também teve e tem vários obstáculos de natureza política e econômica, a oposição não precisa de TV. Tem redes sociais de enorme força política. Hoje, ao contrário do tempo de Sarney, as emendas parlamentares eram valores irrisórios, comparados com os R$ 53 bilhões de 2024, bem acima de 37,3 de 2023.

O famigerado orçamento secreto, usado como máquina obscura de voto e de desvios, mudou de nome, mas não de objetivo, diante do país polarizado e o Congresso dominado pelas inúmeras “bancadas” que dão as cartas nas atividades legislativas, num regime semiparlamentarista informal.  

É nesse ambiente hostil que Lula busca se equilibrar no poder, vendo que a tentativa de golpe em 08 de janeiro de 2023 não se esvaiu no vento, nem perdeu força política, com a prisão de centenas de golpistas. Ao visitar José Sarney, o petista o fez em respeito à sua idade, ao apoio que sempre teve dele e do Maranhão, até de parlamentares de partidos de oposição, a exemplo dos ministros André Fufuca (Esportes), Juscelino Rezende (UB).

Sem falar na posição de destaque em que colocou Flávio Dino no governo e depois do Supremo Tribunal Federal. Portanto, a conversa de Lula com Sarney sempre traz na essência, o pragmatismo e um momento de reflexão sobre o Brasil nesses tempo cabeludos. Afinal, são eles, dois líderes, cujas trajetórias ultrapassaram do século 20 para o século 21, sem tropeçar nas dobras da história.

PÍLULAS POLÍTICAS

Vilipêndio de Madonna (1)

O deputado da extrema direita maranhense, Allan Garcês (PL) que substitui na Câmara o ministro dos Esportes André Fufuca (PP), foi o único do Maranhão a votar na moção de repúdio contra a Madonna, Anitta e Pablo Vittar, que é filho de Santa Inês.

Vilipêndio de Madonna (2)

Comissão da Câmara que cuida de previdência, assistência social. Infância e adolescência, considerou o show de Madonna, em Copacabana, os artistas caíram feio nas regras do Código Penal que trata do crime de “vilipêndio”, que ultraja e desrespeita os costumes.

Éguas!!!

A CCJ do Senado aprovou, em votação final, projeto que autoriza o tratamento químico hormonal (espécie de castração química), para presos reincidentes em crimes contra a liberdade sexual – estupro ou violação sexual mediante fraude.

Solidariedade na lei (1)

Assembleia Legislativa do Maranhão aprovou, o Projeto de Lei de Conversão 001/2024, oriundo de MP do Executivo, que reestrutura o programa ‘Maranhão Solidário’. A presidente Iracema Vale já encaminhou o texto à sanção do governador Carlos Brandão.

Solidariedade na lei (2)

O programa Maranhão Solidário tem como objetivo atender as populações em situação de vulnerabilidade social, garantindo a efetivação dos direitos fundamentais e sociais, conforme prioridades fixadas pelo governador do Estado e seus parceiros.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *