18 de julho de 2024
DestaquesGeralOpinião/Artigos

A literatura aliada ao discurso jornalístico

ANTONIO CARLOS LUA

Até hoje, muitos escritores se perguntam se o jornalismo é um fator positivo para a literatura. O que se sabe é que – benéfica ou não – a relação entre ambas as áreas de conhecimento e cultura passou a movimentar, a partir dos séculos XVIII e XIX, algumas redações brasileiras, quando escritores de prestígio iniciaram militância em jornais, descobrindo a força do jornalismo como espaço público. 

Na época, a união entre o jornalismo e a literatura proporcionava um significativo aumento no número de leitores, com muitos escritores conquistando notoriedade à medida em que seus textos literários eram publicados com destaque na imprensa.

Entretanto, o encontro entre jornalismo e literatura não pode ser resumido apenas na atuação de mercado. Temos que considerar também o jornalismo literário, que dá margem a diferentes interpretações sobre seu significado em resenhas e outras ferramentas literárias aliadas ao discurso jornalístico. 

Embora existindo aqueles que tecem fortes críticas sobre obras literárias veiculadas em jornais, há de se admitir que a relação mantida entre o jornalismo e a literatura – independentemente dos posicionamentos assumidos – é profícua.

Machado de Assis, por exemplo, foi um dos escritores que, utilizando-se da imprensa, fez propagar suas ideias escrevendo para jornais, estreitando o foco da observação e análise crítica de seu tempo, conforme exigia a natureza das suas crônicas semanais em jornais como “Diário do Rio de Janeiro”, “Correio Mercantil”, “A Marmota” e tantos outros periódicos. 

Unindo literatura e jornalismo em suas crônicas, Machado de Assis fez algo que, para a imprensa, significou mais do que união em texto, crítica literária ou publicação de resenhas. Assim, ele guiou a literatura e elevou a qualidade da imprensa, fazendo do jornal um aparato máximo de uma revolução do conhecimento, o que ele definia como “democracia prática pela inteligência”. 

O período de estabilidade, declínio e queda do Império brasileiro foi marcado pelo jornalismo literário, crítico e sutil de Machado de Assis, que transformou um público de cultura de comunicação oral em leitores assíduos de jornais, abrindo uma oportunidade rara para jornalistas, num país com poucos leitores. 

Naquele período, o alto índice de analfabetismo — 84% — diagnosticado pelo Império ofereceu margem para que o cronista afirmasse categoricamente que “a opinião pública era uma metáfora sem base”.

Embora tenha se consagrado como romancista e contista, ilustrando a galeria dos grandes nomes da literatura brasileira, Machado de Assis exerceu grande influência na configuração e legitimação social do jornalismo no Brasil. 

Homem de seu tempo, ele esteve vigorosamente envolvido com as questões que mobilizavam o jornalismo, levando o público oitocentista a tornar-se um leitor habituado a pensar e refletir. 

Ele fez do jornalismo sua prática de ação política, ora se empolgando com a dialética do esclarecimento prometida pelo ideal da imprensa, ora reprovando editoriais que enalteciam aspectos hegemônicos de uma sociedade escravocrata. Convicto entusiasta do jornalismo, acreditava no poder revolucionário da imprensa num país marcado pela escravidão.

O papel da imprensa e os seus limites éticos, que buscam o equilíbrio entre a liberdade de informar e a responsabilidade no exercício profissional, apareciam com bastante frequência nas crônicas de Machado de Assis. 

No jornal “Gazeta de Holanda”, em 1887 – época em que escravos só eram citados nos anúncios publicitários de venda ou como recompensa para aquele que o entregasse ao senhor – Machado de Assis teve a coragem de dar voz, em uma de suas crônicas, a um escravo de ganho – Pai Silvério – principal alvo nos debates que antecederam a Abolição da Escravatura.

Nas crônicas intituladas “O Jornal e o Livro”, “O Folhetinista” e “A reforma de jornal”, publicadas em 1859, ele mostrou que como afrodescendente não foi indiferente ao drama dos seus semelhantes, acreditando no poder revolucionário da imprensa contra a escravidão, ao analfabetismo e à rede nefasta de privilégios provenientes de uma sociedade com estrutura típica do sistema feudal.

Machado de Assis realizou, à sua maneira, um fazer jornalístico marcado pela etalinguagem e pela reflexão crítica acerca da profissão, práticas que o tornaram – além de excepcional romancista e cronista – uma referência na imprensa brasileira do Século XIX.

Verdadeiro repórter na execução dos registros jornalísticos dos fatos, ele definia os jornais como “literatura cotidiana”, uma “reprodução diária do espírito do povo” e, em algumas ocasiões, como a “república do pensamento”, revelando a figura do jornalista destemido, que não mede esforços para trazer a verdade dos fatos à tona. 

Machado de Assis defendia que o jornalista deveria registrar o cotidiano, tornando explícitas as suas marcas interpretativas, submetendo os polos do poder ao olhar atento da sociedade civil, sendo um ativo defensor de mudanças na realidade do país.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *