18 de julho de 2024
DestaquesGeral

Elon Musk afronta Alexandre de Moraes pelo X em apoio à extrema direita do Brasil

Revista Fórum – Bilionário, que já confessou ter participado de golpe na Bolívia, acusou o ministro de censura contra políticos que propagam fake news.

O bilionário Elon Musk Elon Musk, dono do X (antigo Twitter), resolveu desafiar o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), nesta sexta-feira (5), ao perguntar por que ele “exige tanta censura no Brasil”.

A frase de Musk foi escrita em resposta a uma publicação de Moraes no X de 11 de janeiro, em que ele parabeniza o ex-ministro da Corte Ricardo Lewandowski pelo cargo de ministro da Justiça e Segurança Pública.

O dono do X se referia a acusações de censura contra políticos brasileiros de extrema-direita acusados de espalharem fake news nas redes. O assunto foi levantado pelo jornalista americano Michael Shellenberger, na última quarta-feira (3), em sua conta no X (antigo Twitter).

Ataque orquestrado

Segundo o jornalista, que faz coro ao lado de Musk contra Moraes, “o Brasil está envolvido em um caso de ampla repressão da liberdade de expressão liderado pelo ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal”. A esse dossiê, que pretende provar que o Poder Judiciário é uma “ameaça à democracia”, foi dado o nome “Twitter Files Brazil”.

O nome, inclusive, deriva de um caso semelhante ocorrido nos EUA ao qual Shellenberger teve acesso. À época, foi o próprio Elon Musk quem revelou os documentos e os repassou ao jornalista logo após comprar o Twitter e mudar seu nome para X. O “Twitter Files” original apontava que agências do governo dos EUA se esforçaram durante a pandemia para retirar do ar postagens negacionistas da ciência e do próprio Covid-19. Na narrativa apresentada por Musk e pelo jornalista, no entanto, o objetivo seria “censurar a internet de forma profunda”.

Agora, na versão brasileira da conspiração do bilionário de extrema direita, o ‘Twitter Files Brazil’ aponta que a “censura” ao Twitter não parte apenas de agências federais, mas de ordens judiciais emitidas pelo próprio Supremo, que devem ser cumpridas. O dossiê contou com a colaboração de dois jornalistas que escrevem para a Gazeta do Povo, um site reconhecidamente pró-Bolsonaro.

Bolívia

Esta não é a primeira vez em que, Musk, o homem mais rico do mundo, manifestou apoio à extrema-direita da América do Sul. Em 2020, ele confessou de modo arrogante que patrocinou o golpe de Estado na Bolívia, que derrubou um governo eleito e colocou no poder Jeanine Añez. Jeanine está presa e foi condenada a 10 anos de cadeia pelo golpe. Musk está mais bilionário hoje do que era há três anos.

Na época, ele não só confessou o apoio ao golpe como afirmou que “Vamos golpear quem quisermos”. 

A publicação no Twitter, que ele ainda não havia comprado, foi apagada logo após a repercussão negativa mundial. Mas o print é eterno.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *