17 de julho de 2024
DestaquesGeralPolítica

Brandão e Lula na Colômbia de Petro

Por Raimundo Borges 

O Imparcial – O governador Carlos Brandão integra a comitiva do presidente Luiz Inácio Lula da Silva à Colômbia, que hoje tem encontro com o seu colega boliviano Gustavo Petro.

O interino do Maranhão, até esta quinta-feira, vice-governador Felipe Camarão visita, hoje, o Centro de Criatividade Odilo Costa, filho, que encontra-se em situação precária, apesar de sua importância para o desenvolvimento de projetos especiais nas áreas de cultura, arte e capacitação profissional de São Luís. Com apenas três dias à frente do governo, Camarão vai aproveitar para atuar também na articulação política.

Graças a excelente relação com Brandão, o vice tem carta branca para agir no que por preciso. Exemplo disso foi a visita à BR-316,com o trânsito interrompido pelas chuvas, na companhia do ministro dos Transportes, Renan Filho. Já o Odylo Costa será transformado num centro de referência em educação, arte e cultura de São Luís.

Camarão quer priorizar também as ações efetivas que beneficiem às comunidades indígenas na área de Educação. Por sua vez, Brandão participará, em Bogotá, de tratado sobre o comércio, investimentos edesenvolvimento sustentável, além de participar do Fórum Empresarial Brasil-Colômbia.

Os dois países têm em comum o fato de seus presidentes serem ideologicamente de esquerda. Porém, em termos práticos, as relações econômica e sociais têm como barreira naturais a Cordilheira dos Andes e a floresta amazônica, em cuja região o Maranhão está inserido em mais de 60% de seu território.

Os laços, portanto, entre Brasil e Colômbia não são tão fortes em termos sociais, econômicos e políticos. De fato, são bem menores quando comparados com os vizinhos do Brasil mais ao sul do continente sul-americano, Paraguai, Uruguai e Argentina. Agora, Lula e Petro querem ampliar essa relação.

Os dois presidentes têm uma agenda bilateral sobre desenvolvimento sustentável, comércio, investimentos e cooperação amazônica, programas sociais, direitos humanos e agricultura familiar. O Brasil é o terceiro maior parceiro comercial da Colômbia. Em 2023, o comércio entre os dois países rendeu US$ 6,1 bilhões.

As exportações brasileiras alcançaram US$ 3,8 bilhões e as colombianas, US$ 2,3 bilhões. Há, segundo o governo federal, mais de 70 empresas brasileiras instaladas na Colômbia. Em comum, os dois países têm importantes contingentes de povos indígenas e afrodescendentes.

Os dois governos compartilham visões muito semelhantes no que se refere à dimensão amazônica e sobre integração sul-americana e regional, de maneira mais ampla. Porém, nos tempos coloniais e após as independências das possessões ibéricas na América, os contatos permaneceram distantes e esparsos.

Historicamente, ambos os países são mais concentrados em suas relações com as potências europeias do que em intercâmbios com os vizinhos. Talvez por isso, haja tão pouca identidade entre os dois lados desde a época em que todas ex-colônias espanholas tinham regimes republicanos, enquanto o Brasil era visto como um organismo estranho, com um rei imperial na única ex-colônia portuguesa.

PÍLULAS POLÍTICAS 

Tambaqui na brasa

Depois de jantar tambaqui assado com camarão no Palácio Rio Branco, capital do Acre, o governador Carlos Brandão ganhou um de presente, do colega acreano Gladson Camell. O peixe típico do Acre foi servido aos participantes do 27º Fórum de governadores da Amazônia.

Maior do mundo

O governo Carlos Brandão espera trazer para São Luís, 200 mil turistas para o São João do Maranhão, já intitulado “o maior do mundo”, com lançamento previsto para a feira de turismo em São Paulo. A festança vai durar nada menos que 67 dias, na capital e interior.

Missão cumprida (1)

Sem polêmica e contestação, a Assembleia Legislativa do Maranhão aprovou ontem, 16, um decreto legislativo e uma resolução da mesa diretora que regulamentam as normas da PEC que redefiniu critérios para escolha de membros do Tribunal de Contas do Estado.

Missão cumprida (2)

A PEC em tela, foi aprovada há duas semanas, com atualização do limite de 65 para 70 anos na escolha de conselheiros do TCE feita em votação secreta. As normas serão comunicadas ao STF, onde o ministro Flávio Dino suspendeu o processo de escolha para a vaga do Conselheiro Washington Oliveira, que se aposentou.

Não sei por que alguém acredita no que falamos”
Do presidente do Banco Central Roberto Campos Neto, num rasgo de sinceridade, ao comentar sucessivos erros nas projeções do PIB, dos economistas ligados ao mercado financeiro, estampadas na mídia hereditária.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *