18 de julho de 2024
DestaquesGeral

Como Brasil foi chave para América Latina bater recorde de exportação para China em 2023

O comércio entre a China e os países latino-americanos bateu um recorde histórico em 2023.

A troca de mercadorias entre a região e o gigante asiático ultrapassou US$ 480 bilhões, segundo cálculos elaborados pela BBC News Mundo, serviço de notícias em espanhol da BBC, com base em dados da Administração Aduaneira da República Popular da China (AGA, na sigla em inglês).

A balança comercial foi relativamente equilibrada, com um ligeiro superávit favorável à América Latina de US$ 2 bilhões (cerca de R$ 10 bilhões).

O novo recorde no comércio de mercadorias com a China constitui mais um passo em uma tendência ascendente que tem sido registrada ao longo deste século.

O intercâmbio bilateral do país asiático com a América Latina e o Caribe (ALC) mal girava em torno de US$ 14 bilhões no ano 2000, segundo a Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL).

Assim, o aumento foi exponencial neste quase quarto de século.

“No período de 2000 a 2022, o comércio de mercadorias entre a região e a China foi multiplicado por 35, enquanto o comércio total da região com o mundo apenas foi multiplicado por 4”, afirmou a CEPAL em seu relatório Perspectivas do Comércio Internacional 2023.

Graças a este aumento, a China se tornou o segundo parceiro comercial da América Latina como um todo, ultrapassando a União Europeia, como principal parceiro da América do Sul.

Esta intensificação dos laços comerciais com Pequim tem sido desigual, o que resultou no fato de que, enquanto alguns países da região desfrutam de um superávit comercial, outros registram um déficit.

Mas quais são os países latino-americanos que mais exportam para a China, e o que eles vendem para ela?

Matérias-primas e manufaturados

Segundo a CEPAL, o grosso das exportações latino-americanas para a China se concentra em seis produtos (soja, cobre e minérios de ferro, petróleo, cátodo de cobre e carne bovina), que juntos correspondem a 72% do total.

Já as importações da região provenientes da China, por outro lado, consistem principalmente em produtos manufaturados, o que “ampliou o acesso das famílias e das empresas, mas também deslocou a produção regional”, observa a CEPAL.

A seguir, confira os cinco países latino-americanos que mais exportaram para o gigante asiático, segundo dados da Administração Aduaneira Chinesa relativos ao ano de 2023.

1. Brasil

Ilustração de containers com as bandeiras do Brasil e da China
Legenda da foto, O Brasil tem um enorme superávit comercial com a China

O Brasil é, de longe, o principal parceiro comercial da China na América Latina.

Em 2023, o intercâmbio bilateral totalizou US$ 181 bilhões (cerca de R$ 939 bilhões), dos quais US$ 122 bilhões (R$ 629 bilhões) representaram exportações do país sul-americano, que obteve um superávit comercial de US$ 63 bilhões (R$ 356 bilhões).

Estes resultados não apenas fazem do Brasil o país

latino-americano que mais exporta para a China, como também “um dos poucos países do mundo que tem superávit comercial com a China”, segundo indicou a consultoria internacional Dezan Shira & Associates, em seu relatório China Briefing, de 2023.

E é possível que esta relação continue a crescer, a julgar pelos 15 acordos comerciais bilaterais avaliados em cerca de US$ 10 bilhões (R$ 51 bilhões), que foram assinados pelos dois países durante a visita oficial do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) à China, em 2023.

Mas o que o Brasil vende para a China?

Entre os principais produtos exportados, estão: soja (35,4% do total), ferro (20,2%), petróleo (18,6%), carne bovina congelada (8,82%) e polpa de celulose (3,36%), segundo dados do Observatório de Complexidade Econômica (OEC, na sigla em inglês).

2. Chile

Placas de cobre
Legenda da foto, O cobre é o principal produto que o Chile exporta para a China

O Chile é o segundo país latino-americano que mais exporta para a China — e é também o segundo na lista dos que têm maior superávit comercial.

Em 2023, as exportações chilenas para a China ultrapassaram US$ 43 bilhões (R$ 22 bilhões), enquanto seu superávit com o país asiático alcançou US$ 23 bilhões (R$ 119 bilhões), segundo dados da Administração Aduaneira da República Popular da China.

O gigante asiático é o principal parceiro comercial do Chile.

O cobre (bruto e refinado) é de longe o principal produto que o Chile exporta para a China, de acordo com dados da OEC.

Outro produto que se destaca são as frutas sem caroço, das quais o Chile é o principal exportador a nível mundial — e a China, a maior importadora. Em 2022, o Chile enviou o equivalente a US$ 2,45 bilhões (R$ 13 bilhões) deste tipo de fruta para o país asiático, suprindo mais de dois terços das importações chinesas, de US$ 3,58 bilhões (R$ 18 bilhões).

Também chamam atenção os números das exportações chilenas de produtos químicos inorgânicos, como compostos de metais preciosos e isótopos.

Em 2005, o Chile foi o primeiro país latino-americano a assinar um acordo de livre comércio com a China e, segundo o pesquisador Evan Ellis, deve grande parte de seus bons resultados à sua estratégia de marketing.

“O sucesso do Chile se deve em parte à promoção da sua ‘marca nacional’ na República Popular da China. O Chile comercializou com sucesso suas uvas, cerejas e mirtilos na China como ‘bens de luxo’, associados às festividades natalinas e à troca de presentes, permitindo a eles vendê-los a um preço mais alto, incluindo sua importação e envio por meios (de transporte) caros, como aviões e contêineres refrigerados”, observou Ellis, em artigo publicado em dezembro de 2023.

3. Peru

Com exportações que em 2023 ultrapassaram US$ 25 bilhões (R$ 129 bilhões), o Peru ocupa o terceiro lugar na lista dos países latino-americanos que mais vendem para a China— e entre aqueles que alcançaram o maior superávit comercial (mais de US$ 13 bilhões / R$ 67 bilhões, segundo dados da AGA).

A partir de 2009, quando ambos os países assinaram um acordo de livre comércio, a potência asiática tornou-se o principal parceiro comercial do Peru.

Entre 2010 e 2023, as exportações do Peru para a China quadruplicaram, segundo uma análise recente da Fundação Andrés Bello – Centro de Pesquisa Chinês Latino-Americano.

Os principais produtos que o Peru exporta para a China são minerais, além de alimentos para animais.

Embora o Peru venda uma grande variedade de minerais à China, incluindo ferro, zinco e metais preciosos, a maior parte destas exportações é de cobre, que representou mais de 60% do total em 2019.

Mais em BBC News

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *