27 de maio de 2024
DestaquesGeralPolítica

“O presidente Lula teve um ano de 2023 espetacular”, confessa Lira

Revista Fórum – Além de se desculpar com Padilha, presidente da Câmara elogia governo federal.

Na mesma entrevista em que o presidente da Câmara Arthur Lira (PP-AL) pediu desculpas para Alexandre Padilha, ministro de Relações Institucionais, o chefe da câmara baixa também elogiou o governo Lula.

Em uma conversa no talk show ‘Conversa com Bial’, da Rede Globo, Lira amenizou o conflito com o executivo, diminuiu o tom e praticamente selou o fim da crise com o governo.

E aproveitou pra elogiar Lula, puxando o mérito para seu lado.

“O presidente Lula teve um ano de 2023 espetacular por tudo o que o Congresso fez, especialmente a Câmara”, disse o alagoano.

“Nesses dias, está sendo dito que Arthur está com muita virulência, vai instalar CPIs, vai fazer pauta-bomba. Não há nenhum governo desde que cheguei na Câmara que tenha tido melhores condições de governar o país do que o presidente Lula teve dado por nós”, completou.

O parlamentar também falou sobre a relação com o governo Lula e, na ocasião, pediu desculpas ao ministro das Relações Institucionais, Alexandre Padilha, a quem, publicamente, chamou de “incompetente” e “desafeto pessoal”.

“Tenho erros e acertos. Não tenho problema em reconhecer o erro quando o cometo. Vinha apontando, reservadamente ao governo – e eles sabem disso – que há alguns meses a articulação do governo não está funcionando. Se você prestar atenção, há um esforço da presidência da Casa e do governo na Câmara para converter matérias, de modo que elas cheguem ao plenário muito maduras”, desabafou Lira.

Recalculando a rota

Depois que Padilha reduziu o tom e que Lula entrou em campo para garantir a continuidade do ministro no cargo, Lira ficou pressionado pelo governo.

Do outro lado, o Supremo Tribunal Federal vai avaliar a legalidade das transferências diretas, que estariam sendo usadas como ‘orçamento secreto’ por Lira e sua base.

Em alguns meses, o alagoano – que já está em seu segundo mandato – vai ter que eleger um sucessor e a questão não está decidida. O governo, que apoiou a reeleição do atual presidente, pode mudar de candidato e encontrar uma nova saída para a mesa diretora, sem Lira e o PP.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *