17 de julho de 2024
GeralPolítica

Líderes militares estão furiosos com a PF por investigação de plano golpista

DCM – A tensão entre integrantes da ativa das Forças Armadas e da Polícia Federal voltou a crescer.

A cúpula militar demonstra grande irritação com os desdobramentos da investigação policial que apura a trama golpista envolvendo Jair Bolsonaro, ex-membros de seu governo e da caserna.

Para a cúpula militar, um dos principais incômodos é a divulgação fragmentada de informações envolvendo os militares.

Essa divulgação “a conta gotas” tem causado um desgaste constante nas Forças, na visão de integrantes do Alto Comando. Além disso, há queixas sobre a dificuldade de acesso à íntegra das investigações, que estão ocorrendo sob sigilo.

Outro ponto de tensão são os militares fardados que estão sob prisão preventiva no âmbito do inquérito do golpe. Internamente, há pressão sobre a cúpula militar para justificar as detenções desses alvos, que ainda não foram condenados pela Justiça.

O coronel Bernardo Romão Correia Neto. Foto: Reprodução

Atualmente, três militares estão presos: o coronel Bernardo Romão Correia Neto, o major Rafael Martins de Oliveira e o coronel Marcelo Costa Câmara.

Correia Neto é investigado por empregar técnicas das Forças Especiais do Exército para direcionar as manifestações, enquanto Oliveira é suspeito de discutir pagamentos para custear viagens de manifestantes. Câmara, por sua vez, é suspeito de participar da organização criminosa por trás do golpe de Estado.

Membros das Forças Armadas afirmam que só poderão iniciar processos internos de punição dos envolvidos quando tiverem acesso à integra das investigações, argumentando que não podem cometer “injustiças”. Contudo, externamente, há interpretações de que os militares adotam uma postura corporativista para proteger seus interesses. As informações são de Bela Mengale.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *