20 de julho de 2024
DestaquesGeralPolítica

Os embaraços das eleições na Grande Ilha de São Luís

Por Raimundo Borges

O Imparcial – Com uma população total de 1,250 milhão de habitantes, dos quatro municípios da Ilha Upaon-Açu, apenas em Paço do Lumiar a prefeita Paula Azevedo Desterro (PCdoB) não está na batalha da reeleição.

Depois de um tempão buscando espaço para apoiar o advogado e ex-vereador Fred Campos (PSB), ela decidiu mudar de posição e optar pelo vereador Jorge Maru (Republicanos), presidente da Câmara Municipal. Em 2016, Paula Azevedo, conhecida como Paula da Pindoba, foi eleita na chapa liderada pelo ex-deputado Domingos Dutra (PCdoB) que, com apenas sete meses no cargo, sofreu um grave AVC, passou por cirurgias e teve de renunciar. Efetivada no mandato, Paula foi reeleita em 2020.

Os demais prefeitos da Ilha estão em campo, na preparação das chapas, mas, por coincidência,  todos sem o apoio do governador Carlos Brandão. Em São Luís, ele apoia o deputado federal Duarte Júnior, contra o prefeito Eduardo Braide (PSD); em Ribamar, Dudu Diniz contra o prefeito Julinho Mato (Podemos); em Paço do Limiar,  o advogado Fred Campos, contra Jorge Maru (Republicanos); e em Raposa, o ex-prefeito José Laci, contra Eudes Barros.

Laci é uma liderança desde a emancipação do município em 1996, tendo ganho duas eleições para si, uma para a filha, Talita Laci, em 2016 e uma para o atual prefeito Eudes Barros (PL), em 2020. Agora, Laci está na oposição e vai para o confronto de urna, com o apoio de Brandão, fechando o ciclo de quatro pré-candidatos, todos filiados ao PSB.

Dos quatro municípios da Grande Ilha, três estão entre os seis maiores do Maranhão – São Luís (1º), São José de Ribamar (3º) e Paço do Lumiar (6º). Dentro da região metropolitana de São Luís, todas essas cidades estão cada vez mais próximas umas das outras e vivendo o impacto social e econômico da interligação.

Até a divisão territorial virou um problema político em razão da complexidade dos limites, que dificulta, por exemplo, a cobrança de IPTU nessas áreas de difícil identificação, além da indefinição sobre a prestação de determinados serviços urbanos, como limpeza pública e atendimentos de saúde.

Outra questão que embaraça a vida da população dos municípios da Grande Ilha é a jurisdição eleitoral. Em 2017, a 5ª Vara da Justiça Eleitoral homologou o Termo de Ajuste de Limites sobre a definição dos marcos territoriais dos municípios da ilha, com a anuência dos respectivos prefeitos, da Agência Metropolitana estadual e a chancela do Imesc, IBGE e MPF.

No mesmo ano, a Assembleia Legislativa do Maranhão (Alema) aprovou lei que atualiza a divisa intermunicipal de São José de Ribamar e São Luís. Esse é um problema que se arrasta desde o século passado, para os moradores de bairros das áreas limítrofes entre as cidades que compõem a Grande São Luís.

Em 2017, a Assembleia Legislativa aprovou o projeto da Lei nº 10.649/2017, que atualizou cartograficamente a anterior, de 2015 (10.288/2015) e uma antiga de 1952, quando só havia São Luís e São José de Ribamar. Portanto, a história do povoamento da Ilha Upaon-Açu evoluiu também nas questões políticas e de gestão pública até os diais atuais, sem solução.

As eleições no entorno da capital maranhense têm contornos particulares que não existem no restante do Maranhão. Principal deles, fazer com que os prefeitos locais tenham compromissos de união administrativa que facilitem a vida de todos os moradores desse pedaço particularmente belo e privilegiado do Maranhão.

PÍLULAS POLÍTICAS

Polêmica do titulo

Agora complicou. Depois de travar a tramitação do pedido de urgência para conceder título de cidadã de São Luís a Michelle Bolsonaro na Alema, o deputado Júlio Mendonça(PCdoB) propôs o cancelamento imediato da homenagem.

Polêmica do título (2)

O parlamentar aponta vício formal da tramitação do Projeto de Resolução Legislativa nº 098/2023, do deputado Yglésio Moyses(PSB) – único bolsonarista no Brasil, filiado ao PSB. Tudo faz parte do jogo das eleições de 2024 e 2026.

O indiciado

O ex-presidente Jair Bolsonaro foi indiciado pela Polícia Federal, não ainda pela tentativa de golpe em 8 de janeiro. O indiciamento de agora é pela falsificação dados do cartão de vacina contra a covid19 e inserção no sistema do governo.

“PF inicia esquartejamento penal de Bolsonaro com facão de Mauro Cid
Do jornalista Josias de Souza, em sua coluna no UOL.

One thought on “Os embaraços das eleições na Grande Ilha de São Luís

  • Sillas

    Um verdadeiro marasmo os limites dos municípios que compõem a grande ilha, com isso deitam e rolam as construtoras que não sendo obrigadas ao esgotamento e tratamento dos esgotos ficam a jogar nos rios com o beneplácito do Secretária de Meio Ambiente, Ibama e Secretarias correlatas .

    Resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *