18 de julho de 2024
DestaquesGeralPolítica

PL do aborto perde força após reação das ruas

G1 – O Presidente do PP – partido do presidente da Câmara, Arthur Lira – diz que compromisso da legenda com a bancada evangélica era votar apenas a urgência do projeto de lei, e não de levá-lo a plenário. Texto prevê pena maior para interrupção da gravidez maior do que para estupro.

“Eles acharam que estava tudo dominado, que ia ser uma semana de impor vexame ao governo, erraram na dose, perderam a mão e conseguiram, sozinhos, acordar as ruas”.

A avaliação é de um dos líderes de Lula e peça central na articulação política do governo sobre a decisão da bancada evangélica e do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), de usar um projeto que, na prática, impõe a mulheres estupradas que engravidem e abortem, como hoje permite a lei, pena mais grave que a imposta ao estuprador.

Mulheres fazem manifestação contra PL 1904 — Foto: Marcelly Setubal/TV Globo
Mulheres fazem manifestação contra PL 1904 — Foto: Marcelly Setubal/TV Globo

A oposição sentiu. Uma das principais vozes do PP, o partido de Lira, o senador Ciro Nogueira (PP-PI), presidente da sigla, diz que nem ele, nem Lira, têm qualquer compromisso com o mérito da proposta. “O acordo, o gesto para a bancada evangélica, era apenas o de votar a urgência. Apenas isso. Não há qualquer acordo sobre o mérito (conteúdo) da proposta.”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *