18 de julho de 2024
DestaquesGeral

Marielle: caso vai para o STF por possível envolvimento de parlamentar federal

Informação foi obtida a partir da delação premiada de Ronnie Lessa, o ex-PM miliciano que executou a vereadora há 6 anos.

Ronnie Lessa, o ex-policial militar e miliciano réu pelos assassinatos da vereadora Marielle Franco (Psol) e do motorista Anderson Gomes há exatos 6 anos – em 14 de março de 2008 de Rio de Janeiro – finalmente fechou um acordo de delação premiada e falou nessa condição à Polícia Federal. Agora os investigadores submetem o depoimento ao Supremo Tribunal Federal, uma vez que segundo o executor do crime existe a possibilidade do envolvimento de mandantes com foro privilegiado.

De acordo com a Constituição Federal, pessoas em altos cargos políticos devem responder a tribunais específicos. No STF, por exemplo, são julgados possíveis crimes cometidos pelo presidente da República, o vice-presidente, os ministros, senadores, deputados federais, embaixadores e magistrados de tribunais superiores.

Antes o processo do caso Marielle Franco estava no Superior Tribunal de Justiça (STJ), que ensejava a suspeita de que os mandantes ou outros envolvidos tivessem foro privilegiado em âmbito estadual. Agora, com o envio ao STF, especulasse que se trate de um deputado federal ou senador. Afinal de contas, dadas as informações disponíveis publicamente, são nulas as chances de que algum membro do atual Poder Executivo tenha tido parte nesse crime hediondo.

Entre os nomes já investigados pela Polícia Federal e pelo pelo Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público do Rio (MP-RJ), o único que tem prerrogativa de foro é Domingos Brazão, conselheiro do Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro (TCE-RJ). Aparentemente surgiram novos nomes e segundo informações do jornal O Globo podem ser até dois mandantes.

A PF aguarda a validação da delação no Supremo. Nesse meio tempo, agentes do Grupo Especial de Investigações Sensíveis (Gise), da Polícia Federal, e o Gaeco, do MP-RJ, trabalham para conseguir provas mais robustas que comprovem o envolvimento dos nomes citados por Lessa.

Além da comprovação dos mandantes do crime, ainda falta descobrir o que motivou o assassinato. Por outro lado, toda a dinâmica de execução já está praticamente desvendada após as prisões e depoimentos de Ronnie Lessa, Élcio de Queiroz e companhia.

Outros investigados

Enquanto isso, os investigadores estariam buscando provas contra outros dois envolvidos no assassinato para concluir as investigações. Desde o assassinato, em 2018, outras duas pessoas foram investigadas como mandante do crime, além de Domingos Brazão:  o ex-vereador Marcello Siciliano e o ex-bombeiro e também ex-vereador Cristiano Girão, que foi condenado por atuar na milícia.

Em julho de 2021, a Polícia Civil de São Paulo prendeu Cristiano Girão, ex-chefe da milícia do Gardênia Azul, por formação de quadrilha e lavagem de dinheiro da milícia em 2009. O vereador foi acusado de mandar matar o ex-policial militar André Henrique Silva Souza, miliciano do bairro de Campo Grande que tentava controlar a região.

Girão teria contratado Ronnie Lessa para matar André Henrique em 2014. De acordo com a investigação do caso, Lessa era utilizado para executar os inimigos do ex-vereador.

A prisão de Girão não se deu pela participação do assassinato da vereadora, conforme o Ministério Público do Rio de Janeiro. Contudo, houve pedido de prisão por meio da Força-Tarefa do Caso Marielle e Anderson (FTMA), do MP-RJ, a partir das relações com Ronnie Lessa.

Mais em Revista Fórum 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *