17 de julho de 2024
DestaquesEconomiaGeral

Lucro de empresas cresce 14 vezes mais que salário de trabalhadores e trabalhadoras, mostra Oxfam

Revista Fórum – ‘Os super-ricos não ganham suas mega-fortunas ‘trabalhando’ – eles tiram esse dinheiro das pessoas que trabalham’, afirma diretor da entidade.

O lucro empresarial de diretores e acionistas cresceu 14 vezes mais do que os salários dos trabalhadores entre 2020 e 2023, mostra um relatório divulgado pela Oxfam neste Dia do Trabalhador e da Trabalhadora.

Foram analisados 31 países, que, juntos, representam 81% do PIB global. De acordo com o estudo, enquanto os pagamentos totais de dividendos aumentaram 45%, o salário dos trabalhadores aumentou apenas 3%

A Oxfam também calculou, com base nos dados do Wealth-X, que o 1% mais rico, que atualmente detém 43% de todos os ativos financeiros globais, recebeu em média US$ 9.000 em dividendos em 2023. Isso corresponde a oito meses de trabalho e salário para um trabalhador comum.

“Milhões de pessoas têm empregos que as mantêm em um ritmo de trabalho intenso, mas que não garantem recursos suficientes para alimentação, remédios e outros itens básicos, afirmou o diretor executivo interino da Oxfam International, Amitabh Behar.

Os super-ricos não ganham suas mega-fortunas ‘trabalhando’ – eles tiram esse dinheiro das pessoas que trabalham, acrescentou Behar.

O relatório ainda ressalta que, apesar do cenário já ser preocupante, ele tende a piorar, pois a tendência é que o lucro empresarial continue crescendo e gerando efeitos sobre a desigualdade social. De acordo com o Janus Henderson Global Dividend Index, índice que analisa as 1.200 maiores empresas do mundo, os lucros totais das empresas estão à beira de ultrapassar o recorde histórico de US$ 1,66 trilhão do ano passado.

Outros dados destacados pelo relatório com base em informações divulgadas pela Organização Internacional do Trabalho (OIT) mostram que aproximadamente 1 em cada 5 trabalhadores no mundo ganha um salário abaixo da linha de pobreza e que 66% dos trabalhadores em países de baixa renda recebem salários de miséria.

“Nenhuma empresa deveria estar pagando aos acionistas ricos a menos que esteja remunerando todos os seus trabalhadores com um salário digno. Os governos devem limitar os pagamentos aos acionistas, apoiar os sindicatos e estabelecer leis que garantam salários dignos. Deveríamos estar recompensando o trabalho, não a riqueza”, acrescentou Behar.

Sobre o Brasil, o coordenador de Justiça Rural de Desenvolvimento da Oxfam Brasil, Gustavo Ferroni, ressaltou que, apesar da grande maioria da população trabalhar, não é possível garantir uma vida digna com a renda do trabalho.

“Cerca de 60% da população ganha até um salário-mínimo. Apenas 30% dos trabalhadores de carteira assinada ganham mais que dois salários-mínimos. Não é possível diminuir de maneira significativa a desigualdade sem que a renda do trabalho melhore”, disse.

O que é a Oxfam

A Oxfam é uma confederação internacional de organizações não governamentais (ONGs) que trabalham para combater a pobreza e a desigualdade em todo o mundo.

Trabalha em várias áreas, incluindo ajuda humanitária em situações de emergência, desenvolvimento de programas para melhorar o acesso à água, saúde e educação, campanhas de defesa dos direitos das mulheres e das minorias e esforços para combater as mudanças climáticas e suas consequências.

A organização opera em mais de 90 países e desempenha um papel importante na conscientização global sobre questões de justiça social e econômica.

O que é a Wealth-X

A Wealth-X é uma empresa global de inteligência e pesquisa que fornece informações sobre a elite global de alta renda e ultra-alta renda. Oferece dados e insights sobre indivíduos de alto patrimônio líquido, famílias abastadas e suas características, comportamentos de gastos, tendências de investimento e padrões de consumo.

A empresa é reconhecida por sua vasta base de dados e análises detalhadas, sendo uma fonte importante para instituições financeiras, empresas de consultoria, firmas de investimento e outros interessados em entender o comportamento e as tendências da elite financeira mundial.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *