27 de maio de 2024
DestaquesEconomiaGeral

O que o Brasil tem a ganhar apostando mais no etanol

Lei que aumenta etanol na gasolina ajuda a reduzir emissões de CO2, mas deve ter efeito limitado no bolso dos motoristas. Especialistas alertam que aposta sem planejamento pode levar monocultura para áreas sensíveis.

A presença do etanol deve aumentar nos carros movidos a combustão no Brasil. A aposta do governo federal é ampliar a participação do combustível renovável em até 30% na mistura da gasolina vendida nos postos. Desde 2015, a proporção máxima é de 27%.

A mudança está prevista na lei batizada como “combustível do futuro” (PL 4516/23), em discussão no Senado depois da aprovação na Câmara dos Deputados em março passado. Antes da mistura chegar aos postos, porém, será preciso comprovar sua viabilidade técnica, diz a lei.

Para especialistas do setor automotivo, o pedido de testes é uma mera formalidade. A alteração na mistura não deve trazer grandes problemas para os brasileiros que abastecem o tanque somente com gasolina.

“Estamos falando de uma tecnologia dominada no país há 60 anos. Efetivamente, o impacto da adição de 3% a mais de etanol nos motores será baixo e o benefício ambiental é grande”, avalia Camilo Adas, conselheiro da Sociedade de Engenheiros da Mobilidade (SAE Brasil).

Mas a investida na lei que incentiva o etanol, fonte mais limpa, não significa freio no petróleo. O plano da brasileira Petrobras é abrir uma nova frente de exploração do combustível fóssil, maior responsável pelas emissões de gases do efeito estufa que aceleram as mudanças climáticas.

Até 2028, a petroleira pretende perfurar 16 poços na Margem Equatorial, na bacia marítima da Foz do Amazonas. O pedido de licença está em análise pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama).

Além disso, especialistas ouvidos pela DW apontam que mais etanol na mistura não irá impactar, necessariamente, de forma positiva no bolso dos motoristas e que a possível futura necessidade de mais áreas de cana-de-açúcar pode levar a monocultura a regiões sensíveis. 

Reforço à tradição brasileira

O etanol à base de cana-de-açúcar é uma invenção brasileira desenvolvida em meados da década de 1920. Desde 1931, é adicionado à gasolina – naquela época, um decreto obrigou importadores de petróleo a misturar 5% do álcool ao combustível fóssil.

O impulso maior veio na década de 1970, com a crise mundial do petróleo. O Programa Nacional do Álcool (Proacool) estimulou a produção do etanol para diminuir a dependência brasileira das exportações de petróleo. 

“Esse combustível foi e segue sendo importante como estratégia de diversificação das fontes energéticas, para que o país não seja dependente apenas da gasolina. Ele ajuda também a reduzir emissões por ser um biocombustível”, afirma Felipe Barcellos, pesquisador do Instituto de Energia e Meio Ambiente (Iema).

No Brasil, a estimativa é que 85% dos carros leves em circulação tenham motor flex, adaptados tanto para etanol quanto para gasolina. Por outro lado, cerca de 30% deles são abastecidos exclusivamente com etanol. A distribuição e os preços do biocombustível sofrem grande variação de estado para estado, a depender da proximidade com a região produtora.

Produzido principalmente a partir da biomassa de cana, o etanol pode ser considerado neutro em emissões de dióxido de carbono, explica Barcellos. No seu crescimento, a cana retira da atmosfera CO2, o que funciona como uma “poupança” mais tarde, quando o mesmo gás é liberado na queima do combustível.

“Etanol é uma molécula incrível. Ela é cheia de energia, líquida como o petróleo, mas é sustentável. Se as usinas forem feitas para capturar carbono, isso melhora ainda mais a performance ambiental”, avalia Gonçalo Pereira, professor do Instituto de Biologia da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

Etanol x carros elétricos

Mesmo com montadoras pelo mundo afora anunciado metas para extinguir motores a combustão e investir em carros elétricos, o biocombustível brasileiro deve ter vida longa, prevê Camilo Adas, que tem mais de três décadas de experiência no setor automotivo.

“Discussões e publicações recentes mostram que boa parte das montadoras brasileiras vão adotar múltiplas rotas tecnológicas, independentemente do que outros mercados irão definir. Não tem bala de prata”, afirma Adas à DW.

Ônibus elétrico com pintura verde trafegando
Parte da frota do transporte público em São Paulo já é composta de ônibus elétricosFoto: Oslaim Brito/Imago Images

A depender damatriz energética, adiciona o engenheiro, a eletrificação dos carros não é a melhor solução. Ou seja, um país que tem uma frota grande de elétricos nas ruas, mas gera eletricidade em usinas movidas a carvão não abate tanto suas emissões de CO2.

Mais em DW

No Brasil, a expectativa é que as montadoras invistam em carros híbridos, que podem ser movidos tanto a combustível quanto a eletricidade. “É preciso olhar qual a eficácia das rotas tecnológicas. Aumentar a mistura do etanol na gasolina é uma melhoria e tem que ser feita sem paixão, mas com conhecimento e análise de tecnologia”, analisa Adas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *